Orlando City mantém cobrança e volta a criticar São Paulo por dívida

  • Por Lancepress
  • 11/08/2015 17h01

Camisa 10 Tricolor fez golaço e armou as principais jogadas do time na partida

Paulo Henrique Ganso não conseguiu jogar no São paul o o mesmo futebol da época de Santos

Após algumas semanas de silêncio, o Orlando City (EUA) voltou a atacar o São Paulo contra a dívida deixada pelo clube paulista no empréstimo de Kaká em 2014. O proprietário da equipe da Flórida, o empresário brasileiro Flávio Augusto da Silva, concedeu entrevista ao canal SporTV e reclamou da postura dos tricolores para resolver o assunto e também na oferta para ter Paulo Henrique Ganso.

“Fazia parte do empréstimo alguns feedbacks, retornos que teríamos por conta do contrato. Receberíamos 100% da renda do primeiro jogo dele e 20% do incremento de renda que o efeito Kaká geraria. Faríamos dois amistosos, um em São Paulo e outro em Orlando. Mas com o clube nada foi cumprido: nem renda, nem os jogos amistosos foram marcados”, atacou Flávio.

O brasileiro assegura que sempre levou em consideração os problemas e necessidades do Tricolor, com quem iniciou boa relação após os negócios por Kaká e o período de treinos do clube paulista na Flórida no ano passado. Para o empresário, a dívida só ficou maior do que o previsto por falta de compromisso dos dirigentes são-paulinos.

“Já devi dinheiro no passado, tive credores, mas me preocupava. O acordo não foi cumprido e já passaram meses. O contrato tinha a cláusula que, para fazermos o cálculo dos 20%, tinham de comprovar a renda com borderôs. Era feita pelos departamentos jurídicos e as duas partes concordaram com multa diária de US$ 10 mil caso a prestação de contas não fosse feita. E não foi feita até hoje. O valor principal é de R$ 2 a R$ 3 milhões. No dia que entramos com a ação, dava cerca de R$ 14 milhões. E a conta não foi prestada até hoje”, avisou.

Como tornou-se público no mês passado, o Orlando City tentou resolver as pendências financeiras do São Paulo com uma proposta por PH Ganso: abater os R$ 14 milhões e pagar mais R$ 6 milhões à vista. O São Paulo deixou claro que não queria envolver os débitos nas negociações, mas novamente não houve entendimento entre as partes.

“Nosso técnico tinha o interesse no Ganso, então fizemos uma proposta formal considerada coerente, de R$ 20 milhões. O São Paulo questiona o valor. Teve uma troca de e-mails no início do ano que o São Paulo disse: “O valor é de apenas tanto”. Dissemos: “Então paguem até quinta-feira”. E não foi feito. Imaginávamos que o contrato fosse cumprido. Agora, está por conta da Justiça para que a gente receba o valor devido”, lamentou dono do Orlando.