Brasil bate Zâmbia, avança como 2º do grupo e vai enfrentar o Canadá nas quartas

Mesmo com uma jogadora a mais desde o começo do primeiro tempo, a seleção brasileira feminina esbarrou na força física das africanas, pouco criou ao longo do duelo e sofreu até os instantes finais

  • Por Jovem Pan
  • 27/07/2021 10h36 - Atualizado em 27/07/2021 16h57
Sam Robles / CBFAndressa Alves marcou para a seleção brasileira na partida diante da Zâmbia, válida pelos Jogos Olímpicos de Tóquio

A seleção brasileira feminina encontrou dificuldades, mas venceu a Zâmbia por 1 a 0 na manhã desta terça-feira, 27, em confronto válido pela terceira e última rodada da fase de grupos do futebol nas Olimpíadas de Tóquio. Com um golaço marcado por Andressa Alves, o Brasil ficou com uma jogadora a mais desde o começo do primeiro tempo e tinha tudo para emplacar mais uma goleada nos Jogos Olímpicos. A equipe treinada por Pia Sundhage, porém, esbarrou na força física das africanas, pouco criou ao longo do duelo e sofreu até os instantes finais. Com o resultado, a Canarinho termina no segundo lugar na chave F, ficando atrás somente da Holanda, que levou a melhor no saldo de gols – as holandesas bateram a China por 8 a 2. Assim, as brasileiras irão enfrentar nas quartas de final o Canadá, segundo melhor time do Grupo E, em partida marcada para esta sexta-feira, 30, às 5 horas (de Brasília).

O primeiro tempo foi eletrizante no Estádio Saitama. Logo nos primeiros minutos, a goleira Bárbara precisou fazer boas defesas, espalmando um excelente chute de Banda e encaixando um arremate de Kundananji. O Brasil, então, passou a sair mais para o ataque e viu seu caminho ficar mais tranquilo aos 11 minutos, quando a árbitra expulsou Mweemba por falta na entrada da área em Ludmila. Na cobrança, Andressa Alves bateu com força e precisão, mas também contou com a colaboração da arqueira africana para tirar o zero do placar. A partir daí, o jogo, que deveria ficar mais tranquilo para as comandadas de Pia, tornou-se mais complicado. Bia Zaneratto, bastante participativa, e Poliana deixaram o confronto machucadas. Com a bola rolando, a seleção brasileira errou muitos passes no trecho final do campo, desperdiçando os espaços dados pela Zâmbia.

No retorno do intervalo, a técnica sueca preferiu sacar Marta e Formiga, com a intenção de preservá-las para as quartas de final. Mesmo renovada, a seleção ficou sem força no meio-campo, perdendo vários duelos individuais e quase não incomodando a goleira Musole, que entrou no primeiro tempo após contusão da titular Nali. As entradas de Geyse e Debinha nas vagas de Ludmila e Andressa Alves até melhoraram um pouco o setor ofensivo, o que não foi suficiente para aumentar o marcador. A Zâmbia, com o revés, se despede de sua primeira Olimpíada com um ponto, conquistado no empate com a China.