Brasil conquista cinco ouros, uma prata e três bronzes no 3º dia das Paralimpíadas; veja resumo 

Com os resultados, o país saltou para a sexta posição no quadro de medalhas geral, atrás de China, Grã-Bretanha, Comitê Paralímpico Russo, Austrália e Estados Unidos.

  • Por Jovem Pan
  • 27/08/2021 12h48 - Atualizado em 27/08/2021 12h50
Wander Roberto/Alê Cabral/CPBPetrúcio é medalhista de ouro na Tóquio-2020

O Brasil viveu nesta sexta-feira, 27, indiscutivelmente, o seu melhor dia nas Paralimpíadas de Tóquio-2020. No terceiro dia de competições, a delegação brasileira conquistou nove medalhas, sendo cinco de ouro, uma de prata e três de bronze. Somente no atletismo, Petrúcio Ferreira, Silvânia Costa, Yeltsin Jacques e Wallace Santos subiram ao lugar mais alto do pódio, enquanto Washington Júnior e João Victor Teixeira terminaram na terceira posição em suas respectivas provas. Já na natação, os nossos representantes também fizeram bonito: Wendell Belarmino ficou com a medalha dourada, enquanto Gabriel Bandeira ganhou a prateada e Carol Santiago uma de bronze. Com os resultados, o país saltou para a sexta posição na classificação geral, atrás de China, Grã-Bretanha, Comitê Paralímpico Russo, Austrália e Estados Unidos. Veja abaixo.

Porta-bandeira na cerimônia de abertura da Tóquio-2020, Petrúcio Ferreira não desapontou e conseguiu o bi dos 100m rasos T47, para pessoas com deficiência nos membros superiores. A prova, inclusive, contou com uma dobradinha brasileira, já que Washington Júnior alcançou a terceira posição. Nas pistas, o Brasil também venceu com Yeltsin Jacques, que dominou os 5.000m T11, para atletas cegos. Os outros dois ouros no esporte vieram com Silvânia Costa, no salto em distância T11, para atletas cegos, e com Wallace Santos, no arremesso do peso F55, para atletas que competem em cadeira. No arremesso, o país também levou o bronze com João Victor, que ficou em terceiro na classe F37, para paralisados cerebrais andantes.

Já nas piscinas, Wendell Belarmino se tornou também campeão paralímpico dos 50m livre S11, para atletas cegos, cravando 26s03. Quem também voltou ao pódio foi Gabriel Bandeira. Ouro nos 100 m borboleta da classe S14, o nadador, desta vez, foi prata nos 200 m livre da mesma categoria. Já nos 100 m costas S12, para pessoas com deficiência visual, Maria Carolina Santiago terminou com o bronze. Os bons resultados do país, por outro lado não se resumem aos pódios. Na estreia do vôlei sentado, a seleção feminina derrotou o Canadá no tie-break. Já no goalball masculino, o time masculino garantiu vaga nas quartas de final ao ganhar da Argélia por 10 a 4. As mulheres do esporte, por sua vez, empataram com o Japão em 4 a 4 e ainda precisam de bons resultados nas últimas duas rodadas para avançar de fase.

O Brasil terminou o 3º dia das Paralimpíadas na sexta posição do quadro de medalhas da Tóquio-2020

O Brasil terminou o 3º dia das Paralimpíadas na sexta posição do quadro de medalhas da Tóquio-2020

Quem também se deu bem foi a equipe de tênis de mesa em cadeira de rodas. Com vitórias nas quartas de final de Catia Oliveira, na classe 1-2, e de Bruna Alexandre, na classe 10, o Brasil garantiu mais duas medalhas. Isto porque, assim como no boxe olímpico, a modalidade paralímpica não prevê disputa pelo terceiro lugar. Outros bons resultados vieram com Rene Pereira, da canoagem, que ganhou sua bateria no skiff simples PR1 do e avançou direto à final da classe para remadores com função mínima, e com Jane Karla Gogel, que assegurou vaga nas oitavas de final arco composto individual do tiro com arco. Pelo lado negativo, o Brasil estrou sem vitórias no primeira dia do judô. Além disso, Israel Stroth, vice-campeão da Rio-2016 no tênis de mesa da classe 7, se despediu da competição, perdendo nas quartas de final.