Com show pirotécnico na cerimônia de encerramento, Tóquio passa o bastão para Paris

Despedida transmitiu mensagem de união em tempos de pandemia; ginasta Rebeca Andrade representou o país no Estádio Olímpico

  • Por Jovem Pan
  • 08/08/2021 10h32 - Atualizado em 08/08/2021 11h46
GIAN MATTIA D ALBERTO/DIA ESPORTIVO/ESTADÃO CONTEÚDOJogos foram encerrados neste domingo após 19 dias de competições

Tóquio se despediu neste domingo, 8, dos Jogos Olímpicos com uma cerimônia de encerramento que durou aproximadamente duas horas. A despedida, cheia de efeitos pirotécnicos e valorizando a cultura e a história do país anfitrião, procurou passar a mensagem de união em tempos de pandemia. “Os Jogos nos proporcionaram e nos proporcionarão o que pensar sobre a diversidade e a inclusão. Mesmo que não possamos estar juntos, podemos compartilhar o mesmo momento, e isso é algo que nunca iremos esquecer”, explicou o Comitê Organizador. O último ato na capital japonesa ainda projetou a próxima edição das Olimpíadas, em Paris, daqui a três anos.

As delegações dos 204 países participantes desfilaram no Estádio Olímpico. Ao contrário da cerimônia de abertura, quando cada comissão desfilou de forma individual, neste domingo a entrada dos atletas foi praticamente ao mesmo tempo, por diferentes acessos. Destaque do Brasil com duas medalhas (uma de ouro e duas de prata), a ginasta Rebeca Andrade foi a porta-bandeiras do país. O COB encerra a Tóquio-2020 com o melhor desempenho na história com 7 medalhas de ouro, 6 de prata e 8 de bronze, totalizando 21 conquistas. Os Estados Unidos conseguiram superar a China no último dia e encerraram os Jogos na primeira colocação com 39 medalhas de ouro, 41 de prata e 33 de bronze, totalizando 113. Já os chineses se despedem de Tóquio com 38 medalhas de ouro, 32 de prata e 18 de bronze, somando 88 medalhas.