Surfe: Italo Ferreira e Silvana Lima estão há dois dias sem as pranchas em Tóquio

Avião que transporta as pranchas dos brasileiros atrasou e só aterrissa no Japão nesta terça-feira; competição do surfe começa sábado

  • Por Jovem Pan
  • 20/07/2021 00h51 - Atualizado em 20/07/2021 01h53
Reprodução/ Instagram @silvanalimasurf_Silvana e Italo fizeram treinos físicos nesta segunda-feira, 19

Dois dos quatro representantes do surfe do Brasil na Olimpíada estão em Tóquio há 48 horas sem seus equipamentos de trabalho. O atual campeão mundial, Italo Ferreira, e Silvana Lima, chegaram antes das pranchas, por causa do atraso do voo da companhia que está levando o material para o Japão. Devem chegar apenas nesta terça-feira, 21. O voo da Air France com as pranchas dos brasileiros teve problemas e só deve desembarcar no Japão dois dias após os surfistas chegarem ao país dos Jogos Olímpicos. A competição está marcada para começar somente no sábado, mas os atletas querem treinar antes para conhecerem o local no qual buscarão as sonhadas medalhas. De acordo com os organizadores dos Jogos, a praia de Tsurigasaki ainda não foi aberta aos surfistas. Desta maneira, o atraso não causou nem causará prejuízo ao atleta potiguar e à surfista cearense, que aproveitaram a segunda-feira para aprimorar o físico com longas caminhadas em visita à Vila Olímpica.

É a primeira vez que o surfe será disputado em Jogos Olímpicos e o Brasil chega forte na disputa. Além de Italo, o também campeão do mundo, Gabriel Medina, estará nas águas japonesas no time masculino. Entre as mulheres, Silvana e Tatiana Weston-Webb são as representantes do time verde e amarelo. Italo está tranquilo com o atraso de seu material. Ele já ganhou competição com prancha emprestada e garante se adaptar, caso necessário. Mas não deve ter esse tipo de problema desta vez, com a promessa da chegada das pranchas. Sem treino no Japão, ele viveu um dia de tiete ao conhecer outros brasileiros famosos. O potiguar ganhou enorme torcida brasileira por causa da polêmica de Medina com o COB pelo veto à mulher, Yasmin Brunet.

*Com informações do Estadão Conteúdo