Ações da Prefeitura na Cracolândia avançam, mas médicos preferem outra abordagem

  • Por Jovem Pan
  • 07/06/2017 09h23
Cracolândia

Especialistas defendem que a Prefeitura de São Paulo intensifique investimentos na área da saúde e as abordagens aos dependentes químicos na Cracolândia.

O tema foi discutido nesta terça-feira (6) na Escola Paulista de Medicina, na Vila Clementino, zona sul da cidade.

Médicos, promotores e defensores públicos criticaram a tentativa da gestão municipal de conseguir autorização para realizar internações compulsórias.

O promotor da área de saúde pública, Arthur Pinto Filho, defendeu que a Prefeitura recue e siga o Programa Redenção, fortalecendo o contato com os dependentes.

O coordenador científico da Plataforma Brasileira de Política de Drogas apontou que, por enquanto, as ações adotadas não demonstram planejamento.

Maurício Fiore explicou a Tiago Muniz que as iniciativas para o tratamento adequado dos dependentes químicos precisam de mais financiamento. “A solução é complexa, mas exige um investimento financeiro grande”.

Nesta terça-feira, o prefeito de São Paulo voltou a defender as ações realizadas pelo poder público na região da Cracolândia.

Falando a Anderson Costa, João Doria destacou que o Programa Redenção vai continuar. Ele prometeu que a Prefeitura vai “continuar agindo no plano medicinal, social e policial.

A Prefeitura de São Paulo informou que as equipes de assistência social fizeram quase onze mil abordagens na região da Nova Luz desde 21 de maio.

Já as equipes de saúde realizaram 163 internações voluntárias até o início desta semana.