Afastamento de Dilma pelos motivos alegados é atentado à democracia, diz Belluzzo

  • Por Jovem Pan
  • 26/08/2016 15h01

LewandowskiLuiz Gonzaga Belluzzo - Reprodução

A fala do economista Luiz Gonzaga Belluzzo no julgamento do impeachment, na tarde desta sexta-feira, revela como o processo se tornou uma oportunidade para petistas e aliados venderem uma “narrativa política”, e não mais um meio de reverter o afastamento de Dilma Rousseff – a esta altura, algo virtualmente impossível.

Belluzzo estava listado inicialmente como testemunha de defesa no processo. Mas, a pedido do advogado de Dilma, José Eduardo Cardozo, que foi aceito pelo presidente da sessão, Ricardo Lewandowski, ele participou da sessão apenas como informante.

Seu papel, com isso, não foi mais o de apresentar provas em favor da presidente afastada, mas somente o de defender uma visão da política e da economia que pudesse ser captada pelas câmeras de televisão e pela equipe de filmagem que produz um documentário sobre o impeachment sob a ótica da esquerda. 

Belluzzo foi questionado pelos senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Paulo Paim (PT-RS), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Regina Sousa (PT-PI). Coube a eles levantar a bola para o economista. E Belluzzo, obviamente, cortou, retomando uma tese fantasiosa muito cara aos economistas de esquerda: a de que a profunda crise econômica em que o Brasil afundou foi culpa de circunstâncias externas.

“Há uma perda de dinamismo nas economistas capitalistas a partir da crise de 2008”, afirmou o Belluzzo. “A economia brasileira sofreu os efeitos dessa crise, sim. No meio desse processo, quisemos fazer um ajuste fiscal que só agravou essa situação.”

O erro do governo, segundo Belluzzo, teria sido tentar gastar menos. 

A verdade é que durante o auge da crise internacional o governo petista manteve uma política de expansão do gasto público, e só deu início a um esforço de ajuste fiscal em 2015, quando já era tarde demais. O Brasil é um exemplo negativo entre as grandes economias emergentes, que na maior parte mostram atualmente taxas positivas de crescimento. 

Belluzzo repetiu outro chavão da ladainha esquerdista. “Considero que o afastamento da presidente pelos motivos alegados é um atentado à democracia”, afirmou o economista sobre um processo que seguiu à risca todas as regras legais. 

PITACO DA JOVEM PAN: A fala de Luiz Gonzaga Belluzzo não serviu nem ao processo nem à verdade, somente à “narrativa” que um projeto de poder desastroso e derrotado agora quer emplacar.