Anvisa revoga uso emergencial de medicamento com anticorpos contra Covid-19

Empresa não enviou os dados referentes à eficácia do remédio contra a variante Ômicron do coronavírus, que já é predominante no país

  • Por Jovem Pan
  • 04/02/2022 16h24 - Atualizado em 04/02/2022 16h24
Marcelo Camargo/Agência Brasil fachada da anvisa Uso emergencial do coquetel foi autorizado pela Anvisa em maio de 2021

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) revogou nesta sexta-feira, 4, a autorização de uso emergencial, concedida em maio de 2021, da associação dos anticorpos banlanivimabe e etesevimabe contra a Covid-19. O coquetel combina dois anticorpos monoclonais que têm como alvo a proteína spike do coronavírus, é administrado em dose única por infusão intravenosa e seu uso é restrito a hospitais e aos pacientes com quadro leve a moderado da doença com alto risco de progressão. Com a revogação, a substância não deve ser mais usada. A medida foi tomada pela Anvisa após a farmacêutica Eli Lilly, produtora do remédio, não enviar os dados referentes à eficácia do medicamento contra a variante Ômicron do coronavírus, que já é predominante no país.

Com o advento das novas variantes do Sars-CoV-2, como a Ômicron, a agência solicitou que a empresa apresentasse dados de eficácia que subsidiassem a manutenção da autorização de uso emergencial do medicamento para o tratamento da Covid-19. Em resposta, a empresa solicitou a revogação da autorização temporária de uso emergencial e não apresentou os dados de eficácia contra a variante Ômicron”, disse a agência sobre a decisão. A Anvisa, porém, autorizou o uso de estoques remanescentes da pesquisa clínica ou importados antes da revogação, desde que sejam usados exclusivamente em pacientes contaminados com as variantes anteriores à Ômicron.