Após falha em equipamento, Fiocruz inicia produção de vacina contra Covid-19 nesta segunda

Anteriormente, a instituição previa que 15 milhões de doses fossem entregues em março; no entanto, com o atraso no calendário, apenas 3,8 milhões de doses devem ficar disponíveis para o PNI este mês

  • Por Jovem Pan
  • 08/03/2021 17h26 - Atualizado em 08/03/2021 17h38
Reprodução/Bio-ManguinhosBio-Manguinhos é a unidade da Fiocruz responsável pela produção da vacina contra Covid-19

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou nesta segunda-feira, 8, que iniciará a produção comercial, destinados ao uso da população, da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca. As doses produzidas no Brasil deveriam ser entregues ao Programa de Imunizações Nacionais (PNI) do Ministério da Saúde no começo de março, mas uma falha técnica no equipamento que lacra os frascos de vacinas atrasou o calendário. A Fiocruz explica que a produção de lotes de pré-validação e validação foram iniciadas antes e que a fabricação já foi normalizada. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), líder do Fórum dos Governadores, estiveram presentes na Bio-Manguinhos, unidade da Fiocruz responsável pela produção, para alinhar detalhes sobre a produção e entrega das vacinas. “Conversamos sobre tudo aquilo que pode ser antecipado e o que pode haver de participação do Conselho de Governadores, por intermédio do governador Wellington, do governo federal, da própria Fiocruz e do Congresso Nacional”, disse Pazuello.

O atraso na importação do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) da Índia também impactou o cronograma. Anteriormente, a instituição previa que 15 milhões de doses fossem entregues em março. No entanto, com a mudança no calendário, apenas 3,8 milhões de doses devem ficar disponíveis para o PNI este mês. A entrega ainda depende do cumprimento de “todas as etapas iniciais de produção e requisitos de qualidade de forma a garantir sua eficácia e segurança, bem como do deferimento do registro definitivo pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”. Segundo a Bio-Manguinhos, a data de entrega só poderá ser definida após os resultados dos lotes de validação e da liberação pela Anvisa.