Bolsonaro diz que não está ‘preocupado em ser bonzinho’: ‘É um milagre eu ter ganho as eleições’

  • Por Jovem Pan
  • 01/06/2019 16h22 - Atualizado em 01/06/2019 17h18
Marcos Corrêa/PR"Deus também tem me ajudado muito na escolha dos meus ministros", afirmou o presidente

Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista publicada neste sábado (1) pelo jornal argentino “La Nacion”, que não está “preocupado em ser bonzinho”, mas sim em “alcançar seu objetivo e cumprir sua missão” como presidente da República. Ele declarou ainda que “é um milagre estar vivo e outro milagre ter ganho as eleições”.

“Eu tenho uma missão de Deus, vejo dessa maneira. Foi um milagre estar vivo e outro milagre ter ganho as eleições. Deus também tem me ajudado muito na escolha dos meus ministros.”

A entrevista foi concedida no Palácio do Planalto a jornalistas argentinos. O “La Nacion” abriu a reportagem mencionando que Bolsonaro assumiu o poder há cinco meses e sofre com a retração da economia e as dificuldades para dar andamento à sua agenda no Congresso.

Argentina

Na conversa, Bolsonaro reafirmou o seu apoio ao presidente da Argentina, Mauricio Macri, possível concorrente da ex-presidente Cristina Kirchner na corrida presidencial que começará em outubro. Ele reiterou estar na torcida para que o país vizinho vote em um presidente de centro-direita e salientou que “Brasil e Argentina não podem voltar à corrupção”.

O presidente contou que viajará para a Argentina na próxima semana, acompanhado de vários ministros, para discutir detalhes finais do acordo em discussão entre o Mercosul e a União Europeia. “O acordo vai estimular nossas economias. Temos consciência de que podemos perder algumas coisas, mas, em termos gerais, será muito bom. E vamos tratar de outras medidas de cooperação bilateral também”, assegurou.

Flávio Bolsonaro

Ao ser questionado sobre as supostas irregularidades pelas quais o senador Flávio Bolsonaro (PSL) é investigado, esclareceu que, se o filho tiver cometido alguma ilegalidade, deverá pagar. “Se fez algo errado, tem que pagar. Mas tenho confiança de que ele não fez nada de errado. Por outro lado, Fabrício Queiroz, um ex-subtenente da Polícia Militar que eu conheço desde 1984.”

Bolsonaro repetiu que o objetivo das denúncias é desgastar seu governo. “Agora, por que interessa atacar meu filho? Me desgastar. Não há dúvidas de que me desgasta. Mas meu filho responde por seus atos e está pronto para dar explicações. Até hoje não foi convocado a fazer.”