Boulos pedirá remoção de estátua de touro da frente da Bolsa de Valores de SP na Justiça

Pré-candidato ao governo do SP alega uso indevido do espaço público; monumento foi vandalizado novamente nesta quinta

  • Por Jovem Pan
  • 18/11/2021 19h46
RENATO S. CERQUEIRA / FUTURA PRESS / ESTADÃO CONTEÚDOEstátua de touro foi vandalizada duas vezes em dois dias após ser instalada

Guilherme Boulos, pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSOL, entrará com uma ação judicial pedindo a remoção da estátua de um touro dourado que foi colocada em frente à Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, no centro da capital paulista, na última terça, 16. Boulos, que também é professor universitário e líder do Movimentos dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) argumentará que houve uso indevido de espaço público e desvio de finalidade na instalação da peça. Em 23 de setembro de 2021, o MTST invadiu o prédio da Bolsa de Valores em protesto contra a fome e o desemprego no Brasil – o pregão daquele dia não foi afetado, entretanto.

A estátua de touro é réplica de uma parecida que fica em Wall Street, centro financeiro de Nova York – mas a original é de bronze, enquanto a brasileira é dourada. No mercado financeiro, o touro significa um mercado em crescimento, pois o animal chifra de baixo para cima – o oposto é o urso, para mercados em queda, já que o urso ataca de cima para baixo. A estátua no centro de São Paulo foi autorizada a permanecer no local pela subprefeitura da Sé por três meses e já foi alvo de protestos. O touro apareceu na quarta, 17, com um cartaz colado no qual se lia ‘fome’, colado pelos movimentos Fogo no Pavio e Raiz da Liberdade, que o consideraram um símbolo da desigualdade social e concentração de riquezas no Brasil. Nesta quinta, 18, o touro foi pichado pedindo taxação para os ricos.