Governo de SP anuncia quarta dose de vacina contra Covid-19 para idosos a partir de segunda-feira

Estão aptos aqueles com mais de 80 anos que tenham recebido a terceira dose há pelo menos quatro meses; qualquer imunizante disponível poderá ser aplicado na faixa etária

  • Por Jovem Pan
  • 16/03/2022 13h12 - Atualizado em 16/03/2022 13h34
WILLIAN MOREIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Vacinação contra Covid-19 Nova fase da campanha de vacinação contemplará 900 mil idosos

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira, 16, a aplicação da quarta dose da vacina contra a Covid-19 para idosos acima de 80 anos a partir da próxima segunda-feira, 21. Estão aptos aqueles que tenham recebido a terceira dose há pelo menos quatro meses, um quantitativo de 900 mil paulistas. A indicação do Comitê Científico é que todos os imunizantes disponíveis na rede pública de saúde poderão ser aplicados na faixa etária, escolhida para iniciar a segunda dose de reforço pela sua maior vulnerabilidade à doença. “Com a Ômicron, a gente teve um pequeno aumento da mortalidade desse grupo. Por conta disso, precisamos também vacinar, aumentar e fazer a quarta dose”, afirmou a coordenadora do Programa Estadual de Imunização (PEI), Regiane de Paula.

Durante coletiva de imprensa, a gestão estadual comemorou a meta batida na terça-feira, 15, de 90% da população elegível vacinada contra a Covid-19. O percentual é considerado o ideal pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde. Com a alta vacinação contra a Covid-19, São Paulo viu os indicadores da pandemia despencarem. Nas últimas seis semanas, foi observada uma queda de 77% de internações. No pico da variante Ômicron, em 29 de janeiro, 11.500 foram hospitalizadas em SP. Nesta semana, são 2.600 pessoas. Nesta quarta-feira, 16, a taxa de internação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva é de 31% no Estado e de 31,9% na Grande São Paulo.

Com o feriado de Carnaval, que causou uma subnotificação dos casos, o número de contaminados teve um incremento de 41,7% na última semana epidemiológica. “Houve uma subnotificação, um sub-registro na semana do Carnaval, o que fez com que dados tanto de mortes quanto de casos tivessem sido aportados na semana passada e não na semana retrasada, por isso essa elevação. Mas se formos analisar o percentual do comprometimento de morte, 7%, esse número, frente à taxa de casos, ainda é muito baixo, mostrando, inclusive, uma tendência de queda”, afirmou o secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn.

Porcentagem da população do Estado de São Paulo vacinada contra a Covid-19 por faixa etária