Governo de SP declara toque de recolher, suspende futebol, fecha escolas e veta cultos

Novas regras da chamada Fase Emergencial vão valer entre os dias 15 e 30 de março; circulação de pessoas está proibida entre 20h e 5h

  • Por Jovem Pan
  • 11/03/2021 13h17 - Atualizado em 11/03/2021 14h23
EFE/ Antonio LacerdaFase Emergencial do Plano São Paulo é ainda mais restritiva que a Vermelha -- que, até então, era o mais próximo de um lockdown

O governo de São Paulo restringiu ainda mais a quarentena no Estado. Agora, até mesmo as atividades essenciais vão ter regras mais rígidas. As novas regras vão valer entre os dias 15 e 30 de março. A chamada Fase Emergencial do Plano São Paulo é ainda mais restritiva que a Vermelha — que, até então, era o mais próximo de um lockdown que o Estado já adotou. Entre as novas regras, estão: toque de recolher das 20h às 5h; suspensão de atividades esportivas, fechamento das escolas e o veto de cultos religiosos. Mais cedo, o governador João Doria publicou um vídeo nas redes sociais adiantando que seria necessário endurecer as medidas de distanciamento social para conter a segunda onda da pandemia ainda que isso custe sua popularidade.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, 53 municípios do Estado de São Paulo estão trabalhando com 100% de ocupação nas taxas dos leitos nos hospitais. Na segunda-feira, dia 8, eram 32 cidades. São Paulo tem hoje 2.164.066 casos de Covid-19 e 63.010 óbitos pela doença. A taxa de ocupação dos leitos de UTI está em 87,6% no Estado e em 86,7% na Grande São Paulo. Há menos de um mês, no dia 22 de fevereiro, essa taxa era de 66% no Estado e 68,8% na Grande São Paulo. Entre os internados, 9.184 estão em UTI e 11.692 estão em enfermaria — entre casos confirmados e suspeitos.

Gorinchteyn destacou que a pandemia que está acontecendo hoje é diferente da observada no ano passado. Agora, mais jovens também são acometidos de forma mais grave pela doença — não apenas idosos. O Estado de São Paulo registrou um aumento de 12% nos casos, 12,3% mortos e 9,8% internações considerando apenas os dias 7 e 11 de março — em relação a última semana. Cerca de 1.065 pacientes estão aguardando atendimento no Sistema de Regulação Estadual, fora as regulações regionais — totalizando 2.046 pessoas esperando exames, leitos de enfermaria ou UTI em São Paulo. Com as novas medidas adotadas nesta quinta, cerca de 4 milhões de pessoas vão entrar em restrições de atividades. Cerca de 40 vidas devem ser poupadas por dia, de acordo com Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência.

Novas medidas

Atividades com restrição completa: serviço de retirada (take-away) de todos os setores; lojas de material de construção; celebrações religiosas coletivas; atividades esportivas coletivas.

Tele trabalho obrigatório para atividades administrativas não-essenciais: órgãos públicos, escritórios e qualquer atividade desde que o setor não seja essencial.

Não autorizada a entrega de alimentos e produtos ao cliente no estabelecimento comercial: permitido somente serviços de drive-thru (entre 5h e 20h) e delivery 24h para restaurantes e outros estabelecimentos comerciais.

Educação: escolas estaduais devem ficar abertas para o mínimo de atividades possíveis e para alimentação e distribuição de materiais e chips com agendamento prévio. Os recessos de abril e outubro foram antecipados para o período de 15 a 28 de março, sem prejuízo do calendário escolar. Alunos não terão atividades obrigatórias a desenvolver e devem permanecer em casa.

Esporte: suspensão do futebol e das atividades esportivas coletivas a partir da segunda-feira, 15. Integrantes da Federação Paulista de Futebol (FPF) e membros do governo Doria afirmaram à Jovem Pan que o campeonato estadual seria paralisado, a princípio, por oito dias, a partir do sábado, 13. Com isso, a partida entre São Caetano e Palmeiras, marcada para às 19h desta quinta-feira, ocorreria normalmente. Com o anúncio do governo paulista, fica permitida, também, a rodada deste final de semana.

Além disso, foi anunciado toque de recolher entre 20h e 5h, proibição do uso de praias e parques, proibição completa de qualquer aglomeração e o uso de máscara em todos os ambientes — sejam internos ou externos. De acordo com o coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19 no Estado, João Gabbardo, o governador João Doria acatou todas as orientações da área da saúde — algumas até de forma adicional. Denúncias podem ser feitas pelos números 0800 771-3541 e 3065-4666, site www.procon.sp.gov.br e e-mail secretarias@cvs.saude.sp.gov.br.