Governo usa gráfico genérico em apresentação de estudo sobre vermífugo contra Covid-19

Animação é do banco de imagem Shutterstock e foi apresentada para representar eficácia de medicamento no tratamento precoce da doença

  • Por Jovem Pan
  • 19/10/2020 22h34
Reprodução/ ShutterstockGráfico exibido pelo governo federal é do banco de imagens Shutterstock

O governo federal apresentou em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 19, resultados de um estudo clínico sobre o uso do vermífugo nitazoxanida na fase precoce da Covid-19. O Ministério da Ciência e Tecnologia diz que os testes mostraram eficácia do produto, mas a pesquisa não foi divulgada. Na apresentação, em evento com o presidente Jair Bolsonaro e ministros do primeiro escalão, um gráfico usado no material promocional não tem base em dados reais. A fonte da animação de um gráfico em barras decrescente genérico é um banco de imagens.

É possível ver o momento que o gráfico é usado a partir dos 26 minutos no vídeo que está no ar no canal oficial do próprio Planalto. “A missão dada pelo governo federal ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações foi cumprida. E o resultado comprovou de forma científica a eficácia do medicamento na redução da carga viral na fase precoce da doença”, diz o narrador quando o gráfico é usado. A imagem está disponível no banco de imagens Shutterstock pelo ID 1054927550. “Temos um medicamento que é comprovado cientificamente capaz de reduzir a carga viral”, disse o ministro da Ciência, Marcos Pontes. “Estamos anunciando algo que vai começar a mudar a história da pandemia”.

Coordenadora da pesquisa promete publicação em revista científica

Patrícia Rocco, professora da Universidade Federal do Rio (UFRJ), disse que o estudo ainda será publicado em revista científica. “Infelizmente, nesse momento não poderei relatar mais detalhe sobre o estudo já que ele foi submetido à uma revista internacional e isso faria com que perdêssemos o ineditismo, limitando a publicação. Entretanto, no Brasil continuam morrendo em torno de 500 indivíduos por dia”, disse.

Rocco afirmou que a pesquisa foi submetida à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e também aos conselhos de ética de cada unidade hospitalar onde o estudo foi feito. No comunicado à imprensa, é afirmado que as pesquisas com a nitazoxanida se basearam em um estudo do Laboratório Nacional de Biociências do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, organização vinculada ao ministério. Segundo o governo, a nitaxozanida foi o fármaco que apresentou a melhor capacidade de inibir a carga viral da Covid-19 nesse estudo.

Segundo Patrícia, 1.575 voluntários participaram do estudo. Foram admitidos os que tinham até três dias de sintomas da doença. Parte dos pacientes receberam doses de 500 miligramas do medicamento, três vezes ao dia, por cinco dias. Outro grupo recebeu placebos – um “falso remédio” sem qualquer efeito. Segundo o governo, o estudo foi conduzido em centros de saúde de sete cidades, São Caetano, Barueri, Sorocaba, Bauru, Guarulhos, Brasília e Juiz de Fora (MG). Pontes disse que o medicamento não pode ser usado de forma profilática, ou seja, para prevenir a doença.

O ministro afirmou ainda que ele mesmo foi voluntário nos testes Ele divulgou ter contraído a Covid-19 no final de julho. A iniciativa faz parte das ações da RedeVírus, comitê formado por pesquisadores da saúde criado pela pasta em fevereiro deste ano.

*Com informações do Estadão Conteúdo