‘Lockdown’: Bloqueio rigoroso em São Paulo pode estar próximo

  • Por Jovem Pan
  • 15/05/2020 10h56
EFE/ Fernando BizerraNesta sexta-feira (15), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, classificou ao Jornal da Manhã a medida como "extrema"

O Governo do Estado de São Paulo pode estar próximo de adotar medidas ainda mais restritivas no combate à covid-19. Fontes ligadas ao governo disseram à Jovem Pan que o anúncio do bloqueio total, também conhecido como lockdown, deve ser decretado já na próxima semana.

Nesta sexta-feira (15), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, classificou ao Jornal da Manhã a medida como “extrema”. Dimas também é o coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 do Estado de São Paulo durante o afastamento do infectologista David Uip.

“O bloqueio total pode e deve ser usado sempre que o crescimento da epidemia suplantar o sistema de saúde, principalmente em relação aos leitos de UTI. Quando a ocupação chega próxima de 90%, acende-se um alerta para essas medidas mais duras.”

Já na quarta-feira (13), na entrevista coletiva concedida pelo governo estadual, Dimas Covas adiantou os “pré-requisitos” para que as medidas mais rigorosas fossem tomadas. São eles: taxa de ocupação dos leitos de UTI acima de 90% e taxa de transmissão acima de um — ou seja, quando cada infectado transmite o vírus para pelo menos uma outra pessoa.

Ainda na ocasião, ele alertou que a região metropolitana de São Paulo estava “reunindo os critérios para começar a considerar a possibilidade” se não ocorresse inflexão na taxa de isolamento e no número de leitos ocupados.

Os últimos números divulgados pelo Governo do Estado na quinta-feira (14) mostram que São Paulo atingiu 47% no índice de isolamento social no Estado e 48% na Grande SP. O número considerado ideal para flexibilização das medidas é de, pelo menos, 55%.

Em relação aos leitos de UTI, o secretário de Saúde José Henrique Germann disse, na quinta-feira, que 69% estão ocupados no Estado. Já na Grande SP, o número é preocupante: 85,5% não estão disponíveis.

Também ao Jornal da Manhã nesta sexta-feira, o vice-governador Rodrigo Garcia reforçou que o que o governo estadual está tomando decisões baseadas na “ciência, nos dados e na evolução da epidemia”. “Qualquer indicativo de endurecimento será acompanhado por uma nota técnica”, disse.

Entretanto, ele destacou que a quarentena em São Paulo foi “muito bem pensada” e não mexeu nem com a construção civil e nem com a indústria.

Por decisão do governador João Doria e do Centro de Contingência da Covid-19 do Estado de São Paulo, a quarentena nos 645 municípios foi estendida, na última sexta-feira (8), até o dia 31 de maio.