Marco Feliciano diz que grupos LGBT usam atentado em Orlando para se promover

  • Por Estadão Conteúdo
  • 13/06/2016 10h09
Marco Feliciano

Após o atentado a uma boate LGBT em Orlando, nos EUA, que deixou 50 mortos e 53 feridos, na madrugada do passado domingo (12), o deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) fez uma série de declarações polêmicas em seu perfil do Twitter. Na rede social, ele disse achar “triste a tentativa de grupos LGBT de usar esta tragédia para se promover como se a razão deste ataque fosse apenas homofobia”. 

Ainda no Twitter, o deputado acusou os grupos de calarem-se em relação a outros atentados e criticou a esquerda por apoiar a Palestina. “Estes terroristas com quem a esquerda quer dialogar assassinam inocentes, tripudiam sobre seus cadáveres numa luta política insana”, concluiu.

Feliciano, que também é pastor de uma igreja neopentecostal ligada à Assembleia de Deus, sendo conhecido por se envolver em polêmicas com grupos LGBT. Um dos principais exemplos talvez seja o projeto da “cura gay”, de 2013, em que propôs um tratamento com o objetivo de curar a homossexualidade. 

Na madrugada de domingo, o americano e filho de afegãos Omar Mateen, 29 anos, abriu fogo em uma casa noturna gay de Orlando. A polícia investiga o caso como terrorismo e o FBI busca elo do autor do atentado com grupos islâmicos.