Ministério da Saúde inclui CoronaVac no programa de vacinação infantil

Pasta fará remessas a Estados e municípios que não tem imunizante em estoque; Anvisa aprovou imunizante para faixa etária na quinta

  • Por Jovem Pan
  • 21/01/2022 20h53
ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Frasco da vacina CoronaVac CoronaVac foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e é fabricada no Brasil pelo Instituto Butantan

O Ministério da Saúde incluiu nesta sexta, 21, a CoronaVac entre as vacinas utilizadas para imunizar crianças de seis a 17 anos contra a Covid-19, um dia após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dar o aval para a utilização na faixa etária. As doses serão iguais às aplicadas em adultos, com o mesmo volume e intervalo para aplicação (28 dias). A CoronaVac não deverá ser utilizada em imunossuprimidos, conforme recomendação da Anvisa. A pasta afirmou que entrará em contato com os Estados e municípios para saber quantas doses do imunizante eles têm disponíveis. “Segunda-feira, 24, é o prazo para que os estados e municípios enviem essas informações para o ministério”, disse o secretário-executivo da pasta, Rodrigo Cruz.

O Ministério da Saúde disse já ter identificado os locais que não tem a vacina estocada para realizar remessas de emergência com as seis milhões de doses da CoronaVac que tem em estoque. Até o momento, apenas a vacina da Pfizer foi utilizada para crianças e adolescentes da faixa etária em questão – a vacinação de adolescentes começou antes e está em estágio bastante avançado, enquanto a de crianças entre cinco e 11 anos começou na última sexta, 14, e a maioria dos municípios ainda está imunizando as crianças do grupo prioritário (as que têm comorbidades ou deficiências, ou que são indígenas ou quilombolas). A CoronaVac foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e é produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.