Museu da Língua Portuguesa é reinaugurado seis anos após incêndio

Local estava fechado desde dezembro de 2015; público poderá voltar a frequentar o espaço a partir deste domingo, 1º

  • Por Jovem Pan
  • 31/07/2021 15h54
Rovena Rosa/Agência BrasilEspaço foi reconstruído na Estação da Luz, região central de São Paulo

O Museu da Língua Portuguesa foi reinaugurado neste sábado, 31, quase seis anos após um incêndio destruir parte da estrutura na Estação da Luz, região central de São Paulo, em dezembro de 2015. O primeiro dia foi restrito para os convidados da cerimônia de reabertura. O público poderá voltar a frequentar o local a partir deste domingo, 1º. As obras para a reconstrução do museu iniciaram em 2017, dividas em três etapas. Além do espaço para exposições, a estrutura conta com um terraço no terceiro andar com vista para o Jardim da Luz e a Torre do Relógio. O museu também ganhou um Centro de Referência da Língua Portuguesa, que vai funcionar como um fórum de estudos, pesquisas e aproximação entre países lusófonos.

A cerimônia de inauguração foi liderada pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ao lado do prefeito da capital, Ricardo Nunes (MDB) e dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Michel Temer (MDB). O evento também contou com a participação de autoridades de outros países lusófonos, como os presidentes de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, além do ministro da Cultura de Angola, Jomo Francisco Fortunato. “Seis anos depois estamos aqui não para esquecer as cinzas do passado, mas a partir delas construirmos o futuro nessa potência de todas as eras que se chama Brasil, nessa metrópole de tantas línguas que se chama São Paulo”, afirmou o presidente português.

O museu mantém a vocação de exposições imersivas e tecnológicas. Em sua exposição de longa duração, o espaço terá experiências inéditas e outras anteriormente existentes que marcaram o público em seus primeiros dez anos de funcionamento. Entre as novas instalações estão “Línguas do Mundo”, destacando 23 das mais de 7 mil línguas faladas hoje no mundo; “Falares”, apresentando os diferentes sotaques e expressões do idioma no Brasil; e “Nós da Língua Portuguesa”, um caminho pela presença do idioma no mundo e a diversidade cultural da Comunidade de Países de Língua Portuguesa. As principais experiências seguem no acervo, como a instalação “Palavras Cruzadas”, que mostra línguas que influenciaram o português no Brasil; e a “Praça da Língua”, espécie de ‘planetário do idioma’ que homenageia a língua portuguesa escrita, falada e cantada em espetáculo imersivo de som e luz.

A reconstrução do Museu da Língua Portuguesa custou R$ 85 milhões, com recursos federais, estaduais e da iniciativa privada. O novo espaço teve reforço nos sistemas de segurança, especialmente contra incêndios. A estrutura também conta com diretrizes sustentáveis, como a adoção de técnicas para economia de energia na operação do museu, a gestão de resíduos durante as obras e a utilização de madeira que atende às exigências de sustentabilidade. “Transformamos a tragédia em renascimento, fizemos das cinzas o recomeço, devolvendo um museu de primeiro mundo que volta melhor, com mais recursos e mais tecnologia”, disse Doria.