Novos insumos para produção de 10 milhões de vacinas contra a Covid-19 chegam ao Brasil

A previsão é que as doses sejam distribuídas a Estados e o DF no mês que vem; a meta da Fiocruz é entregar 100 milhões de imunizantes entre o fim de agosto e o início de setembro

  • Por Jovem Pan
  • 17/07/2021 21h13 - Atualizado em 17/07/2021 21h26
Walterson Rosa/MSAté agora, mais de 75,9 milhões de vacinas de Oxford/AstraZeneca foram distribuídas a Estados e o Distrito Federal

Mais uma remessa de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para produzir vacinas contra a Covid-19 chegou ao Brasil. Os insumos desembarcaram no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro – RioGaleão – na noite deste sábado, 17. Com a matéria-prima, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) produzirá cerca de 10 milhões de doses de vacina AstraZeneca/Oxford no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos localizado em Bio-Manguinhos, no Rio de Janeiro. A previsão é que as doses sejam entregues no mês de agosto, depois que passarem pelas etapas de processamento final e de controle de qualidade. Segundo dados do Ministério da Saúde, o imunizante da AstraZeneca é o mais aplicado no país. Até o momento, das 154,7 milhões de vacinas distribuídas a Estados e o Distrito Federal, mais de 75,9 milhões são da farmacêutica anglo-sueca. Cerca de 55% dos brasileiros já receberam ao menos uma dose da vacina contra o coronavírus e 20% completaram o esquema vacinal.

O diretor-geral de Bio-manguinhos, Maurício Zuma, disse à Jovem Pan, no começo da semana, que a Fiocruz não vai mais conseguir cumprir a meta de entregar até o fim de julho 100 milhões de doses da vacina ao Plano Nacional de Imunização por causa do atraso no calendário de remessas do IFA. A nova meta, agora, é chegar aos 100 milhões de doses no fim de agosto ou no início de setembro. A Fundação Oswaldo Cruz, no entanto, mantém a estimativa de encerrar o ano de 2021 com 200 milhões de doses entregues ao PNI. A produção de vacina com o IFA 100% nacional, após acordo de transferência de tecnologia, também está atrasada: seria iniciada em outubro, agora já se fala em novembro. Para o ano que vem, a Fiocruz já planeja distribuir ao PNI cerca de 180 milhões de doses da vacina.