PF mira suposto pagamento de propina durante governo Witzel

Operação desta terça é um desdobramento da que afastou o governador do Palácio das Laranjeiras; fraude pode ter gerado prejuízo de R$ 50 milhões

  • Por Jovem Pan
  • 15/12/2020 10h06 - Atualizado em 15/12/2020 10h40
CLÉBER MENDES/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDOFraude pode ter gerado prejuízo de mais de R$ 50 milhões aos cofres públicos do governo do Estado do Rio

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram na manhã desta terça-feira, 15, a Operação Kickback que apura o envolvimento de uma Organização Social em um esquema de corrupção do governo do Estado do Rio de Janeiro. A OS teria recebido cerca de R$ 280 milhões em dívidas inscritas em “restos a pagar” em troca de pagamento de propina de 13% ao governo de Wilson Witzel. A quantia daria prioridade à organização no recebimento dos recursos públicos na área da saúde do estado, aponta a investigação. Segundo a PF, a fraude pode ter gerado prejuízo de mais de R$ 50 milhões aos cofres públicos.

Estão sendo cumpridos nesta manhã de terça dez mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão preventiva, a imposição de medidas cautelares diversas da prisão e a indisponibilidade de bens dos investigados nas cidades de Rio de Janeiro, Niterói, Nova Iguaçu e de Juiz de Fora (MG). A investigação também encontrou pagamento de R$ 50 milhões da OS a um escritório de advocacia, que teria repassado R$ 22 milhões para pessoas ligadas ao operador financeiro identificado nas Operações Placebo e Tris In Idem. As investigações culminaram no afastamento do governador Wilson Witzel em agosto deste ano.