PM dispersa banhistas em praia fechada do litoral de São Paulo

Prefeitura de Bertioga determinou fechamento de praias entre 19h do dia 31 de dezembro até às 7h do dia 1º; ação causou repercussão de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 02/01/2021 10h24 - Atualizado em 02/01/2021 13h38
Reprodução/Twitter/Gil DinizPraia estava fechada para evitar disseminação do novo coronavírus

Imagens que circulam nas redes sociais mostram equipes da Polícia Militar (PM) utilizando bombas de gás lacrimogêneo para dispersar um grupo de jovens que comemorava a virada de ano na Riviera de São Lourenço, no município de Bertioga, na manhã desta sexta-feira, 1º. Um decreto da Prefeitura de Bertioga determinou que as praias fossem fechadas das 19h do dia 31 de dezembro até às 7h do dia 1º. O bloqueio incluía a faixa de areia, jardins e calçadões – a medida visava impedir aglomerações, para conter o contágio do novo coronavírus. A ação da PM foi criticada por bolsonaristas, entre eles os deputados estaduais Gil Diniz (PSL-SP), Coronel Telhada (PP-SP) e o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub. Os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro também aproveitaram a ocasião para criticar o governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB).

“Ordem ilegal não se cumpre, Polícia Militar do estado de São Paulo. Lamentável ver uma instituição de estado para cercear a liberdade de cidadãos ordeiros que cometeram o quê? Foram até a praia na virada de ano! É tudo que o PSDB quer, que a população odeia os policiais como todo Tucano já odeia! Meu repúdio”, diz uma publicação de Gil Diniz, conhecido como “Carteiro Reaça”. “Fazer a PM atuar contra banhistas que nada faziam é uma ordem que eu jamais cumpriria.  Ficaria preso mas não cumpriria… Os malditos pancadões rodando a todo vapor e a PM não recebe ordens do governo para agir contra isso… inversão total de valores do Governador Ditadória”, disse Coronel Telhada, em seu Twitter. Mais tarde, em uma publicação em seu perfil no Instagram, Telhada parabenizou a PM pela ação: “Não há ninguém ferido, nem policiais militares e nem integrantes da desordem urbana. Sendo assim, parabéns a nossa PM e aos integrantes do 21° BPM-I. Mas não retiro o que disse sobre o Ditadoria que não valoriza a PM”. 

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) afirmou, em nota, que a Polícia Militar “realiza a operação Paz e Proteção com o objetivo de coibir a formação de pancadões ou aglomerações em todo o Estado”. “Na noite desta quinta-feira (31), foram realizadas ações para dispersar frequentadores que iniciavam bailes ou geravam perturbação do sossego em diferentes municípios como São Paulo, Caraguatatuba, Embu das Artes, Taboão da Serra, Ubatuba, Praia Grande, São José dos Campos, Guarujá, Ribeirão Preto, Itapevi e Bertioga”, diz o comunicado. Em outro trecho, a SSP-SP ressalta que a operação “permitiu a prisão de 1.160 suspeitos, sendo 333 procurados da Justiça, a apreensão 534 veículos irregulares, a retirada das ruas de 1.025 armas de fogo e a apreensão de 1,3 tonelada de drogas, além de 3.238 autuações de trânsito, desde janeiro deste ano. Além desta ação, a PM segue apoiando aos órgãos municipais e de vigilância sanitária, responsáveis pelas fiscalizações e demais ações para coibir aglomerações de pessoas e a interdição de estabelecimentos”.