Queiroz depositou R$ 72 mil na conta de Michelle Bolsonaro, diz revista

O ex-assessor de Flávio Bolsonaro depositou os valores de 2011 a 2016 por meio de 21 cheques; as informações são da revista Crusoé, que teve acesso aos extratos bancários de Queiroz

  • Por Jovem Pan
  • 07/08/2020 15h54 - Atualizado em 07/08/2020 15h59
Isac Nóbrega/PRA primeira-dama, Michelle Bolsonaro

Os extratos bancários de Fabrício Queiroz revelam que o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) depositou um total de R$ 72 mil, por meio de 21 cheques, na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro, de 2011 a 2016. As informações foram reveladas pela revista Crusoé nesta sexta-feira (7). Após a Justiça determinar a quebra do sigilo bancário de Queiroz, os novos depósitos contradizem a versão apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro, que havia afirmado que os valores depositados anteriormente se tratavam de um pagamento de empréstimo.

Segundo a revista, os novos extratos “mostram que a conta da primeira-dama começou a ser abastecida por Queiroz em 2011. E pelo menos 21 cheques foram depositados entre 2011 e 2018”. Em dezembro de 2018, o Ministério Público do Rio de Janeiro afirmou que Queiroz havia depositado cheques no valor de R$ 24 mil na conta da primeira-dama. De acordo com os documentos, em 2011, foram três cheques de R$ 3 mil (R$ 9 mil); em 2012, seis cheques de R$ 3 mil (R$ 18 mil); em 2013, três cheques de R$ 3 mil (R$ 9 mil) e, em 2016, nove cheques no total de R$ 36 mil.

Ainda de acordo com a Crusoé, entre 2007 e 2018, os créditos na conta de Queiroz totalizaram R$ 6,2 milhões. Os valores de salários da PM e da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) somam R$ 1,6 milhão. Outros R$ 2 milhões vieram de 483 depósitos de servidores do gabinete de Flávio Bolsonaro. Há R$ 900 mil em créditos em dinheiro sem os dados do depositante.

A análise dos extratos bancários de 2011 a 2016, período em que Queiroz depositou os cheques na conta de Michelle, mostra que os valores que Fabrício Queiroz recebeu aumentaram com o passar dos anos. Segundo os dados obtidos pela Crusoé, em 2011, foram R$ 400 mil – sendo R$ 158 mil depositados em dinheiro. E em 2016, R$ 696 mil, sendo R$ 223 mil em espécie.

Depósitos feitos pela esposa de Fabrício Queiroz

Além dos valores depositados por Queiroz, Michelle também recebeu em sua conta, também em 2011, ao menos R$ 17 mil por meio de seis cheques emitidos por Márcia de Oliveira Aguiar, esposa do ex-assessor, informa a Crusoé. “No caso dos repasses feitos por Márcia Aguiar, o primeiro cheque foi compensado no dia 6 de janeiro, no valor de 2 mil reais. Os outros cinco são de 3 mil reais cada, compensados nos dias 2 de fevereiro, 4 de abril, 9 de maio e 8 e 29 de junho”, detalha a reportagem.

‘Rachadinha’

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), Queiroz é o operador de uma esquema que existiu no gabinete de Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente, durante seu mandato como deputado estadual do Rio. A prática, conhecida como “rachadinha”, é feita para que o parlamentar fique com parte dos salários de seus assessores. Queiroz, preso em junho na cidade de Atibaia, no interior de São Paulo, cumpre prisão domiciliar, após conseguir um habeas corpus no STJ, com tornozeleira eletrônica. Márcia, que não chegou a ser presa na época e foi considerada foragida da Justiça, também cumpre domiciliar.