São Paulo ultrapassa marca de 100 mil mortes por Covid-19

Taxa de ocupação dos leitos de UTI no Estado é de 78,2% e na Grande São Paulo é de 76,2%

  • Por Jovem Pan
  • 08/05/2021 16h37 - Atualizado em 08/05/2021 16h41
MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDONa última sexta, 7, o governo anunciou a prorrogação da fase de transição do Plano SP contra a Covid-19 por mais duas semanas

O Estado de São Paulo atingiu, neste sábado, 8, a marca de 100.649 mortes por Covid-19 e 2.997.282 casos registrados desde o início da pandemia. De acordo com dados atualizados às 14h, foram contabilizados 660 óbitos e 13.100 novas infecções nas últimas 24 horas. Dados divulgados pelo governo do Estado, na última sexta-feira, 7, mostraram que 21.320 pacientes estão internados, sendo 10.060 em unidades de terapia intensiva e 11.260 em enfermaria. A taxa de ocupação dos leitos de UTI no Estado é de 78,2% e na Grande São Paulo é de 76,2%. Ainda ontem, o governo anunciou a prorrogação da fase de transição do Plano SP contra a Covid-19 por mais duas semanas, com algumas alterações.

A partir de agora, estabelecimentos de comércio e restaurantes poderão funcionar das 6h até 21h com até 30% de capacidade. Antes, o horário permitido era das 6h até 20h com 25% da ocupação dos espaços. “Houve uma queda acentuada nos números de internações e óbitos. Os índices que medem a pandemia foram estabilizados, mas ainda em um patamar alto”, explicou o governador João Doria em coletiva de imprensa. A extensão do horário serve para as atividades comerciais, atividades religiosas, consumo local de restaurantes e similares, atendimento presencial de salões de beleza, barbearias e atividades culturais. Os parques estaduais e municipais continuam funcionando entre 6h e 18h. O toque de recolher na cidade, que antes era das 20h às 5h, passa a funcionar das 21h às 5h.

O Estado continua a aconselhar o teletrabalho para aquelas atividades que não são essenciais e o escalonamento no horário de entrada e saída de atividades como comércio, serviços e indústrias. “Nós temos o Dia das Mães no domingo, então esse é um momento importante para que tenhamos uma retomada do comércio, para que possamos lembrar das nossas mães, dos nossos familiares, dos nossos filhos, mas lembrando que o maior presente de Dia das Mães é que todos estejam seguros e com saúde”, afirmou a secretária de Desenvolvimento Econômico de São Paulo, Patrícia Ellen.