SP amplia horário do comércio e anuncia antecipação do calendário de vacinação

Atividades comerciais, religiosas e de serviços gerais poderão funcionar até as 23 horas; novas datas para imunização devem ser reveladas em breve

  • Por Jovem Pan
  • 07/07/2021 13h20 - Atualizado em 07/07/2021 17h22
RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOAlém da entrega das 100 milhões de doses da CoronaVac ter sido antecipada em 30 dias, o Estado de SP adquiriu doses extras

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, anunciou nesta segunda-feira, 7, que vai manter a fase de transição do Plano São Paulo, mas vai ampliar o horário de shoppings, lojas, bares, restaurantes e demais atividades comerciais, religiosas e de serviços gerais. Agora, o horário passa das 12 horas para 23 horas — com limite de acesso às 22 horas. A taxa de ocupação desses locais também aumentou de 40% para 60%. As novas medidas valem entre os dias 9 e 31 de julho. A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, afirmou que a orientação para escalonamento nos horários de entrada e saída está mantida na intenção de aliviar o transporte público. O toque de recolher está mantido entre 23 horas e 5 horas da manhã. Vale lembrar que os prefeitos tem autoridade para decidir por medidas mais restritivas, caso seja necessário.

Doria também anunciou que, em breve, o calendário de vacinação contra a Covid-19 deve ser antecipado mais uma vez após a aquisição de novas vacinas. Além da entrega das 100 milhões de doses da CoronaVac ter sido antecipada em 30 dias, para o fim de agosto, o Estado de São Paulo adquiriu doses extras do imunizante do Instituto Butantan — cerca de 2,7 milhões chegam já nesta quarta-feira, 7. Membros do Centro de Contingência anunciaram uma tendência de queda nos números da pandemia no Estado. São Paulo tem hoje 3.824.111 casos confirmados da Covid-19 e 130.935 óbitos pela doença. A taxa de ocupação dos leitos de UTI está em 70,19% no Estado e em 64,56% na Grande São Paulo. Quanto ao número de internados, 8.759 estão em UTI e 8.713 em enfermaria. Isso representa uma redução de 20,6% nos casos, 11,4% nas internações e 10,6% nos óbitos.