Trabalhadores da área de transporte serão priorizados na campanha de vacinação contra Covid-19

Governo federal tem sofrido pressão da categoria, que ameaça fazer uma greve geral dos caminhoneiros no dia 1º de fevereiro

  • Por Jovem Pan
  • 22/01/2021 15h06
CLEVER FELIX/LDG NEWS/ESTADÃO CONTEÚDOGreve dos caminhoneiros está marcada para dia 1º de fevereiro de 2021

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) anunciou que os profissionais da área de transporte serão priorizados no Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19. A informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde. O governo federal tem sofrido pressão da categoria, que ameaça fazer uma greve geral dos caminhoneiros no dia 1º de fevereiro. Para agradar a classe, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, anunciaram, em uma transmissão ao vivo nesta quinta-feira, 21, uma série de medidas para o trabalhadores da área, como zerar a tarifa da importação de pneus, uma revisão nas normas de pesagem para caminhões, o lançamento de novas licitações para a concessão de rodovias federais e o lançamento de documento de transporte eletrônico para caminhoneiros.

A CNT começou a se mobilizar em dezembro de 2020 para que o profissionais da área fosse incluídos no grupo prioritário. Em nota, a confederação afirmou que, depois de uma intensa articulação junto ao Ministério da Saúde, segmentos dos profissionais do transporte foram incluídos no grupo prioritário da campanha nacional de vacinação. No segundo plano divulgado pelo Ministério da Saúde, de 16 de dezembro, porém, os “trabalhadores do transporte coletivo” e “transportadores rodoviários de carga” já constavam na lista de grupos prioritários. Agora, foram elencados quais os profissionais da área que serão priorizados pela pasta. São eles: caminhoneiros; portuários, incluindo trabalhadores da área administrativa; funcionários das companhias aéreas nacionais; funcionários de empresas metroferroviárias de passageiros e de cargas; funcionários de empresas brasileiras de navegação e motoristas e cobradores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso.

“Por serem considerados essenciais para o desenvolvimento do Brasil, o Ministério da Saúde atendeu a reivindicação da CNT. Esse é um reconhecimento da importância do trabalho que vem sendo desempenhado pelo setor, essencial para a manutenção das atividades de todo o país”, afirma o presidente da CNT, Vander Costa. A confederação aguarda a definição do cronograma e a quantidade de doses que o grupo receberá. “A vacinação já começou pelo primeiro grupo prioritário, que inclui trabalhadores de saúde, as pessoas com deficiência e as pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas e população indígena aldeada. Outros grupos prioritários serão vacinados nas próximas etapas da campanha”, afirmou o ministério à Jovem Pan, sem especificar em qual fase os profissionais do transporte estariam inseridos.

A pasta ressalta que o plano é “dinâmico” e será adaptado, se necessário. “Por isso podem ocorrer ajustes necessários nas fases de distribuição das vacinas e nas indicações de público-alvo, de acordo os cenários já planejados, considerando a indicação de uso apresentada pelo fabricante, o quantitativo de doses entregues e os públicos prioritários já definidos”, justificou. O ministério ressaltou que, até a disponibilidade de mais doses da vacina, o Ministério da Saúde recomenda a vacinação dos seguintes grupos: trabalhadores da saúde, idoso residentes em instituições de longa permanência, Pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência, residentes em residências inclusivas e população indígena vivendo em terras indígenas.