Arrecadação federal sobe 5% em outubro e soma R$ 178 bilhões, o melhor desempenho em 5 anos

Desde janeiro, Fisco acumula R$ 1,5 trilhão, o melhor resultado para o período em 26 anos

  • Por Jovem Pan
  • 24/11/2021 10h16 - Atualizado em 24/11/2021 11h15
Marcos Santos/USP ImagensAlta da arrecadação é apontada por Paulo Guedes, ministro da Economia, como reflexo da recuperação do país

arrecadação federal com impostos atingiu R$ 178,742 bilhões em outubro, com aumento real de 4,92% em comparação ao mesmo mês do ano passado, informou a Receita Federal nesta quarta-feira, 24. Foi o melhor desempenho para o Fisco em outubro desde 2016, quando a arrecadação foi a R$ 188,425 bilhões, e o segundo mais expressivo da série histórica iniciada em 1995. No acumulado desde o início do ano, a soma foi a R$ 1.527.573 trilhão, com aumento real de 20,06%. Segundo o governo federal, foi o melhor desempenho para o período entre janeiro e outubro em 26 anos. O resultado de outubro interrompe a sequência de recordes históricos mensais. Além do mês passado, apenas em janeiro e junho a arrecadação da Receita Federal não foi a melhor para o mês desde 1995. O ministro da Economia, Paulo Guedes, constantemente cita o aumento da arrecadação de impostos como um dos principais indicativos da recuperação da economia brasileira. No fim do mês passado, o chefe da equipe econômica afirmou que o desempenho estava R$ 300 bilhões acima do previsto para o ano. De acordo com a Receita Federal, o resultado de outubro “pode ser explicado, principalmente, pelos fatores não recorrentes, como recolhimentos extraordinários de, aproximadamente, R$ 36 bilhões do IRPJ/CSLL de janeiro a outubro de 2021 e pelos recolhimentos extraordinários de R$ 5,3 bilhões no mesmo período do ano anterior”. O governo ainda complementou que as compensações cresceram 22% no período acumulado de janeiro a outubro. “Sem considerar o efeito dos fatores não recorrentes listados no quadro anterior, verifica-se acréscimo real de 5,10%, no mês de outubro, e acréscimo real de 12,86%, no período acumulado.”