Brasil fecha 2020 com 14,1 milhões de desempregados, aponta IBGE

Taxa de desocupação registrada no período entre agosto e outubro de 2020 é de 14,3%

  • Por Jovem Pan
  • 29/12/2020 09h52 - Atualizado em 29/12/2020 10h04
Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas Carteira de TrabalhoEm relação ao mesmo período de 2019, a ocupação recuou em oito dos dez grupamentos de setor

Dados divulgados na manhã desta terça-feira, 29, pelo IBGE, mostram que a taxa de desocupação no Brasil subiu 0,5 pontos percentuais no trimestre de agosto a outubro de 2020 em relação ao de maio a julho. Agora, são 14,3% de desempregados — o que equivale a 14,1 milhões de pessoas desocupadas. O número é 2,7 p.p. maior que o registrado no mesmo período de 2019 (11,6%). Já o nível de ocupação representa 84,3 milhões de pessoas — 2,8% a mais em relação ao trimestre anterior e 10,4% menor que o mesmo período do ano passado.

Em relação à subutilização, a taxa caiu 0,7 p.p. e atingiu 29,5% da população em relação ao trimestre passado. Em número de pessoas, são 32,5 milhões de subutilizados — sem variação significativa em relação ao mesmo trimestre de 2019. Quanto a população na força de trabalho (98,4 milhões) subiu 3,4% em relação ao período de maio a julho e caiu 7,6% em relação ao ano passado. Dos empregados, 29,8 milhões de pessoas estão sob regime de carteira de trabalho assinada no setor privado — 10,4% menor que o mesmo trimestre de 2019. Os sem carteira assinada representam 9,5 milhões — menos 20,1% no mesmo período. Já os que trabalham por conta própria representam, hoje, 22,5 milhões de pessoas. Em relação ao rendimento médio real habitual, ele está estável em R$ 2.529 — 5% maior que em 2019.

Quanto aos setores, a ocupação cresceu em quatro dos dez agrupamentos se comparado ao trimestre anterior: Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (3,8%), Indústria (3,0%), Construção (10,7%) e Comércio e reparação de veículos automotores (4,4%). Já em relação ao mesmo período de 2019, a ocupação recuou em oito dos dez grupamentos: Indústria (-10,6%), Construção (-13,7%), Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (-11,2%), Transporte, armazenagem e correio (-13,4%), Alojamento e alimentação (-28,5%), Informação, Comunicação e Atividades Financeiras, Imobiliárias, Profissionais e Administrativas (-4,0%), Outros serviços (-20,4%) e Serviços domésticos (-25,4%).