Dólar sobe em dia de mercados fechados nos EUA; Bolsa cai

Avanço da variante Delta do novo coronavírus e ruídos políticos em Brasília também pressionam humor dos investidores

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2021 12h33
PixabayDólar opera sem direção definida com mercados à espera da reunião do Fed

Os principais indicadores do mercado financeiro brasileiro operam no campo negativo nesta segunda-feira, 5, com as Bolsas fechadas nos Estados Unidos pelo feriado do Dia da Independência. O humor dos investidores também é pressionado pela preocupação global com o avanço da variante Delta do novo coronavírus e os ruídos políticos em Brasília. Por volta das 12h20, o dólar registrava avanço de 0,52%, cotado a R$ 5,080. A divisa norte-americana chegou a bater a máxima de R$ 5,085, enquanto a mínima não passou de R$ 5,047. O câmbio encerrou a semana passada com leve alta de 0,16%, cotado a R$ 5,053. O Ibovespa, referência da Bolsa de Valores brasileira, operava com queda de 0,44%, aos 127.059 pontos. O pregão de sexta-feira, 2, fechou com alta de 1,56%, aos 127.621 pontos.

O fechamento dos mercados nos EUA diminui a liquidez nos negócios globais e impacta no desempenho das Bolsas. Ainda na pauta internacional, investidores continuam analisando o avanço de novas cepas do coronavírus e o impacto na retomada da economia mundial. No cenário doméstico, o clima é de apreensão com os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 e os reflexos das suspeita de irregularidades nas negociações de vacinas no governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Na agenda de índices, o mercado financeiro voltou a revisar para cima as previsões para a inflação e o crescimento econômico em 2021, ao mesmo tempo que reduziu a projeção para o câmbio. Dados do Boletim Focus divulgados nesta segunda-feira mostram que a estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 5,97% para 6,07%. A expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) foi alterada para alta de 5,18%, ante estimativa de 5,05% na semana passada. As fontes do Banco Central reduziram a projeção do câmbio para R$ 5,04. Na edição anterior, a pesquisa apontava para a cotação de R$ 5,10 ao fim de 2021.