Ford vai pagar ao menos R$ 130 mil para cada funcionário demitido da fábrica na Bahia

Valor mínimo faz parte do acordo aprovado pelos trabalhadores de Camaçari em assembleia realizada nesta manhã; unidade possui aproximadamente 4 mil funcionários

  • Por Jovem Pan
  • 12/05/2021 14h28 - Atualizado em 12/05/2021 14h31
Divulgação/FordAcordo fechado com os trabalhadores de Camaçari é semelhante aos termos acertados com os funcionários de Taubaté, no interior de São Paulo

A Ford irá pagar uma indenização de, no mínimo, R$ 130 mil para cada funcionário da fábrica de Camaçari, na Bahia, que será fechada como parte da saída da montadora do Brasil. A indenização foi aceita pelos trabalhadores em assembleia do Sindicado dos Metalúrgicos do município nesta quarta-feira, 12. Além dos valores rescisórios, o acordo prevê o pagamento de dois salários por ano trabalhado, mais uma quantia adicional com base no tempo de serviço. As condições são semelhantes ao acordo fechado com os trabalhadores da fábrica de Taubaté, no interior de São Paulo, no início de abril.

A unidade de Camaçari é considerada a maior da Ford na América do Sul e abriga aproximadamente 4 mil trabalhadores. A montadora anunciou em janeiro o plano de saída do mercado brasileiro após mais de um século de operações. O cronograma previa o fechamento imediato das unidades de São Paulo e da Bahia, enquanto a fábrica de Horizonte, no Ceará, deve seguir em atividade até o ultimo trimestre deste ano. Serão mantidas no país apenas as operações do Centro de Desenvolvimento de Produto, na Bahia, o Campo de Provas, em Tatuí, no interior de São Paulo, e a sede regional, na capital paulista.

A saída do país faz parte de uma reorganização para manter os negócios mais “saudáveis e sustentáveis”, informou a Ford em nota. “Estamos mudando para um modelo de negócios ágil e enxuto ao encerrar a produção no Brasil, atendendo nossos consumidores com alguns dos produtos mais empolgantes do nosso portfólio global.” Segundo a empresa, as operações brasileiras serão incorporadas pelas linhas de montagem instaladas na Argentina e no Uruguai.