Ibovespa encosta nos 110 mil pontos e renova máxima de fevereiro; dólar cai

Investidores brasileiros seguiram bom humor das bolsas internacionais após equipe de Joe Biden ser autorizada a iniciar o processo de transição de poder nos EUA

  • Por Jovem Pan
  • 24/11/2020 18h38
PixabayPrincipais indicadores do mercado financeiro brasileiro fecharam a semana no campo positivo com o bom humor dos investidores internacionais

Pelo segundo dia consecutivo, o Ibovespa, o principal índice da Bolsa de Valores brasileira, renovou a máxima de fevereiro com o impulso dos mercados internacionais. O pregão encerrou esta terça-feira, 24, aos 109.786 mil pontos, com alta de 2,2%. Este é o melhor desempenho para os negócios desde 21 de fevereiro, quando o Ibovespa encerrou aos 113.681 mil pontos. Na véspera, o índice já havia superado a máxima ao fechar acima dos 107 mil pontos. A euforia com a transição de poder na Casa Branca também enfraqueceu o dólar no mercado internacional e fez a moeda recuar 1%, fechando a R$ 5,375. A moeda norte-americana chegou a bater R$ 5,374, enquanto na máxima não ultrapassou R$ 5,428. O otimismo foi freado pela apreensão dos investidores com as medidas que o governo está tomando para controlar a disparada dos gastos com o avanço de casos e infecções do novo coronavírus no país.

Apesar de não reconhecer oficialmente a derrota para Joe Biden, a autorização de Trump para que a equipe do democrata inicie a transição na administração da maior economia do mundo trouxe alívio ao mercado. O presidente anunciou na noite desta segunda-feira, 23, que deu sinal verde para que o pessoal do futuro inquilino da Casa Branca comece a mudança. “Quero agradecer a Emily Murphy, da GSA (Administração Geral de Serviços) por sua inabalável dedicação e lealdade ao nosso país. Ela foi acossada, ameaçada e alvo de abusos – e eu não quero ver isso acontecer com ela, sua família ou funcionários da GSA”, escreveu Trump no Twitter. O movimento ocorreu 16 dias depois de Biden ser apontado como o vencedor da disputa, resultado que Trump rechaça ao afirmar que houve uma série de fraudes para que ele não se reelegesse. Além da mudança, investidores também viram com animação as novas nomeações da futura equipe de governo, principalmente a indicação da ex-presidente do Banco Central dos EUA (Fed, na sigla em inglês), Janet Yellen, como secretária do Tesouro.

Além das novidades em Washington, o mercado financeiro ainda vive um clima de otimismo pelo avanço de vacinas contra a Covid-19 e a possível campanha de imunização nos EUA ainda neste ano. Ontem, foram divulgados resultados que apontam a eficácia de 70% da vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, no Reino Unido. O estudo integra a fase 3 da pesquisa e conta com a participação de 20 mil voluntários no Reino Unido e Brasil. Já no domingo, a agência reguladora de medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) afirmou que técnicos irão se reunir no dia 10 de dezembro para analisar um pedido da Pfizer para aprovação do seu imunizante. Caso haja liberação, a campanha de vacinação pode ser iniciada no dia seguinte.

Os investidores também acompanham os desdobramentos em Brasília para a aprovação de uma série de mudanças estruturantes encaminhadas pelo Ministério da Economia para aprovação do Congresso. O temor é de um descontrole fiscal após o aumento de gastos para conter os efeitos do novo coronavírus no país. O ministro Paulo Guedes afirmou nesta segunda que o auxílio emergencial não será novamente prorrogado pelo governo e vai encerrar em 31 de dezembro deste ano. Guedes ainda disse que o país não passa por uma segunda onda de infecções, apesar do avanço nos números de casos e internações em diversas regiões, e que, caso seja necessário, o governo federal saberá enfrentar o repique da doença.