Mercado melhora estimativa do PIB e prevê retração de 4,5%; inflação sobe para 3,4%

Este é a terceira revisão seguida publicada pelo Boletim Focus; analistas esperam dólar a R$ 5,38 no fim do ano

  • Por Jovem Pan
  • 23/11/2020 12h21 - Atualizado em 23/11/2020 13h16
UARLEN VALÉRIO/O TEMPO/ESTADÃO CONTEÚDOEstimativa do mercado para a recuperação da economia está alinhada ao divulgado pelo governo federal

Mantendo a sequência de otimismo, economistas consultados pelo Banco Central reduziram a expectativa de queda para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 para 4,55%, segundo o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 23. Esta é a terceira revisão seguida dos analistas, que na última semana projetavam retração de 4,66%. Para 2021, a expectativa também foi alterada para cima, com avanço de 3,40%. A previsão com o dólar também retraiu pela segunda semana seguida, passando para R$ 5,38, ante R$ 5,41 na semana passada. Para 2021, a expectativa se manteve em R$ 5,40. Em outra ponta, o documento compilado pela autoridade monetária nacional apresenta avanço de 3,45% da inflação neste ano, a 15ª semana de alteração dos analistas. Há quatro semanas, a projeção era que o IPCA encerrasse 2020 a 2,99%, enquanto na semana passada a projeção era de 3,25. O Boletim Focus desta segunda também traz alterações no esperado para a inflação no próximo ano. A edição mais recente aponta para alta de 3,40% ao fim de 2021, enquanto na semana passada era de 3,22%, e há quatro semanas, 3,10%. A expectativa com a Selic para 2020 manteve os 2% registrados nas últimas semanas. Porém, para 2021, o índice passou de 2,75% para 3%.

A previsão dos analistas para um tombo menor do que o inicialmente esperado pela pandemia do novo coronavírus está de acordo com as projeções divulgadas pelo governo federal. Na semana passada, o Boletim Macrofiscal divulgado pela Secretaria de Políticas Econômicas (SPE) estimava a retração de 4,5% do PIB nacional neste ano, ante queda de 4,7% na versão divulgada em setembro. Para 2021, os técnicos do Ministério da Economia mantiveram projeção para avanço de 3,2%. A melhora é justificada pelo crescimento de segmentos fundamentais para a economia no terceiro trimestre, como os setores de indústria e varejo. O documento também revela que o governo federal estima que a inflação alcance 3,1% neste ano, impulsionada principalmente pelo encarecimento dos alimentos. Na última revisão, os técnicos da pasta estimavam que o IPCA encerraria o ano com avanço de 1,8%, ante perspectiva de 1,6% na versão do Boletim divulgada em julho. Para 2021, a estimativa da inflação é de 3,2%.