EUA sancionam 25 colaboradores de rede financeira internacional do EI

  • Por Agencia EFE
  • 29/09/2015 20h41

Washington, 29 set (EFE).- O governo dos EUA anunciou nesta terça-feira sanções econômicas contra 25 indivíduos acusados de colaborar no recrutamento e apoio financeiro do Estado Islâmico (EI), entre os quais figuram cidadãos da Bósnia, Indonésia, França, Reino Unido, Marrocos e Paquistão.

“O Tesouro se mantém incansável em seu objetivo de minguar a força financeira do EI e evitar o acesso deste violento grupo terrorista ao sistema financeiro internacional”, indicou Adam J. Szubin, subsecretário interino de Terrorismo e Inteligência Financeira do Tesouro, em comunicado.

O amplo espectro de cidadanias dos sancionados revela a extensa rede internacional financeira controlada pelo Estado Islâmico, ao incluir passaportes do Iraque, Síria, Bósnia, Indonésia, Iraque, Líbia, Marrocos, Paquistão, Arábia Saudita, Tunísia, França, Reino Unido e Iêmen.

A designação representa o congelamento dos ativos que estas pessoas possam ter sob jurisdição americana e proíbe qualquer tipo de transação com entidades ou cidadãos americanos.

“Continuaremos dificultando a capacidade do EI de obter, movimentar e utilizar fundos, e trabalharemos estreitamente com nossos parceiros nos EUA e na comunidade internacional para destruir esta organização brutal”, acrescentou Szubin.

Entre os sancionados está o considerado “ministro das Finanças” do EI, Muwaffaq Mustafa Muhammad al-Karmush, responsável do pagamento dos salários dos combatentes; e Sami Jasim Muhammad al-Jaburi, encarregado de coordenar as operações de venda de petróleo, gás e antiguidades para financiar as atividades o grupo.

Além disso, também consta Aqsa Mahmood, com passaporte britânico, e que Washington considera responsável de “uma unidade de combatentes femininas” na Síria e encarregada de “recrutar mulheres ocidentais para que se unam ao Estado Islâmico”. EFE