África do Sul ultrapassa 500 mil casos da Covid-19; África tem quase 1 milhão

O país contabiliza mais 8 mil mortes pela doença, enquanto o continente se aproxima de 1 milhão de casos e de 20 mil óbitos

  • Por Jovem Pan
  • 02/08/2020 11h21 - Atualizado em 02/08/2020 11h23
EFE/Yander ZamoraA maioria das infecções é registrada na província de Gauteng. Contudo, a Presidência acredita que o crescimento de novos casos está se estabilizando

A África do Sul, o país africano mais atingido pela pandemia da Covid-19 e o quinto colocado em número de casos em todo o mundo, ultrapassou a marca de 500 mil infecções pelo coronavírus. O país contabiliza mais 8 mil mortes pela doença, enquanto o continente se aproxima de 1 milhão de casos e de 20 mil óbitos. Segundo dados divulgados no sábado, 01, pelo governo sul-africano, o país teve até agora 503.290 infecções pelo vírus, que já deixou 8.153 vítimas. Atualmente, em todo o planeta, somente Estados Unidos, Brasil, Índia e Rússia registram dados piores. “Nossa taxa de recuperação é atualmente de cerca de 68%, a taxa de mortalidade – que é o número de mortes comparado ao número total de pessoas infectadas – ainda está em 1,6%, o que é significativamente inferior à média global”, declarou o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

“Embora a África do Sul tenha o quinto maior número de casos no mundo, somos apenas o 36º país com o maior número de mortes per capita. Por isso, devemos agradecer nossos profissionais de saúde e nossos tratamentos inovadores”, acrescentou. No entanto, o excesso de mortes nas últimas semanas sugere que muitos milhares de óbitos relacionadas à Covid-19 podem estar escapando da contagem oficial. Entre 6 de maio e 21 de julho, segundo estudos do Conselho Sul-Africano de Pesquisa Médica (SAMRC), houve cerca de 22 mil mortes a mais do que normalmente teria sido projetado com base nas tendências históricas, e o tempo e a localização geográfica deixam poucas dúvidas sobre uma relação direta com a pandemia.

A maioria das infecções é registrada na província de Gauteng. Contudo, a Presidência acredita que o crescimento de novos casos está se estabilizando, após um aumento excessivo nas últimas duas semanas. Pelo lado positivo, a pandemia está começando a dar um alívio na turística Cidade do Cabo, que permaneceu durante os primeiros meses da crise sanitária como o grande epicentro do coronavírus no continente africano.

Epicentro no continente

Com esses números, a África do Sul continua sendo o principal foco da Covid-19 no continente, que durante os primeiros meses viveu um avanço notavelmente mais lento do que o resto do mundo. Mesmo assim, a África tem agora 945.092 casos e 19.972 mortes pela doença, de acordo com os últimos dados dos governos do continente. Isso significa que a África do Sul acumula 53% das infecções no continente, apesar de concentrar menos de 5% de sua população e de ter imposto, como seus vizinhos, medidas preventivas duras nos primeiros meses para tentar preparar o sistema de saúde.

*Com informações da EFE