Após tragédia, Líbano decreta estado de emergência por 15 dias em Beirute

A decisão foi tomada durante uma reunião do gabinete de ministros nesta quarta-feira

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2020 13h34
EFE/EPA/NABIL MOUNZER Líbano vive um dia de luto nacional nesta quarta-feira

O governo do Líbano decretou nesta quarta-feira o estado de emergência por 15 dias em Beirute, que ficará sob controle militar após a grande explosão ocorrida na zona portuária que deixou mais de cem mortos e 4 mil feridos. A ministra da Informação libanesa, Manal Abdel Samad, explicou que o estado de emergência é “renovável, e a autoridade militar mais importante será diretamente responsável por manter a segurança” na capital. A decisão foi tomada durante uma reunião do gabinete de ministros nesta quarta-feira. A devastadora explosão em um armazém com 2.750 toneladas de nitrato de amônio no porto atingiu diversos bairros da cidade. Pelo menos cem pessoas morreram e 4 mil ficaram feridas, segundo o governo libanês e a Cruz Vermelha.

De acordo com as informações inicialmente divulgadas pelo governo, o fertilizante estava armazenado há seis anos no porto, e nenhuma iniciativa foi tomada para garantir a segurança do local. O Líbano vive um dia de luto nacional nesta quarta-feira, enquanto as equipes de resgate continuam buscando corpos e sobreviventes entre os escombros.

Explosão
A enorme explosão aconteceu pouco depois das 18h, horário local, na terça-feira e abalou a capital libanesa. As causas ainda não foram confirmadas, mas o presidente Michel Aoun informou que durante os últimos seis anos estiveram armazenadas, sem condições de segurança, em um armazém do porto, 2.750 toneladas de nitrato de amônia, produto químico utilizado em fertilizantes e bombas. “É inadmissível que um carregamento de nitrato de amônia, estimado em 2.750 toneladas, estivesse há seis anos num armazém, sem medidas de precaução. É inaceitável e não podemos calar-nos sobre essa questão”, disse o primeiro-ministro do Líbano, Hassan Diab, acrescentando que “os responsáveis vão pagar o preço”. Em breve discurso transmitido pela televisão, o chefe de governo libanês afirmou que o país vive “verdadeira catástrofe” e pediu a ajuda de todos os países e amigos do Líbano.

Crise econômica
A explosão em Beirute, sentida a 240 quilômetros de distância, ocorreu em um período em que o Líbano vive crescente crise econômica e divisões internas, enquanto lida com os danos provocados pela pandemia da Covid-19. Os últimos tempos têm sido marcados por manifestações nas ruas do país contra o modo o governo. Muitos culpam os políticos libaneses por se focarem nas próprias fortunas, enquanto falham na realização das necessárias reformas para a resolução dos problemas do país. O Líbano, que tem uma dívida pública de US$ 90 bilhões, importa a maioria da sua comida, e o porto de Beirute, fundamental no armazenamento dessas importações, está agora destruído.

*Com Agência EFE