Argentina anuncia medidas para reforçar controle cambial; entenda

O governo diz que terá ‘um papel central no processo de recuperação econômica’, mas também promete ‘esforços consistentes’ pelo equilíbrio fiscal

  • Por Jovem Pan
  • 16/09/2020 13h00
NESTOR J. BEREMBLUM/ELEVEN/ESTADÃO CONTEÚDOAlberto Fernández é o atual presidente da Argentina

O Banco Central da República Argentina (BCRA) anunciou na terça-feira, 15, medidas para reforçar o controle no câmbio, para “promover uma atribuição mais eficiente das divisas”, além de evitar operações “disruptivas” de investidores não residentes nos mercados financeiros. O BCRA diz que almeja ainda favorecer o desenvolvimento do mercado de capitais local, bem como lançar as bases para uma renegociação da dívida privada externa compatível com o “funcionamento normal do mercado de câmbio”. O governo local também deu detalhes sobre sua estratégia econômica, com o projeto orçamentário para o próximo ano.

O BCRA diz que pretende manter o limite de US$ 200 mensais vigente para que os argentinos possam comprar a moeda americana, mas busca desestimular que isso seja usado para poupança ou gastos com cartão. Os gastos com moeda estrangeira em cartões de débito e crédito, aliás, passarão a fazer parte desse limite de US$ 200 ao mês, diz comunicado da instituição. Se os gastos no cartão superarem esse limite em algum mês, o excedente será descontado do limite dos meses subsequentes, explica o BCRA. Também na terça, o governo do presidente Alberto Fernández enviou ao Congresso seu primeiro projeto de lei de Orçamento, para 2021. O Ministério da Economia prevê déficit primário equivalente a 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB), uma recuperação “robusta” da receita pública e crescimento de 5,5% da economia. Projeta ainda inflação ao consumidor em 29%, com o dólar “em torno dos 102 pesos”, segundo comunicado da pasta.

O texto diz que o governo terá “um papel central no processo de recuperação econômica”, mas também promete “esforços consistentes” pelo equilíbrio fiscal, que sejam “compatíveis com uma trajetória de crescimento inclusivo”.

*Com informações do Estadão Conteúdo