Ataque terrorista em hotel na Somália teve 4 homens-bomba e 5 horas de tiroteio

Atentado foi reivindicado pelo grupo jihadista Al Shabab, que deseja governar o país de acordo com a sua interpretação da lei islâmica; hospital local afirma que 15 civis morreram

  • Por Jovem Pan
  • 01/02/2021 12h49
EFE/EPA/SAID YUSUF WARSAME O ataque aconteceu no hotel Afrik, onde políticos de oposição se reuniam para discutir as eleições que acontecerão na semana que vem

O grupo jihadista Al Shabab assumiu a autoria de um ataque realizado neste domingo, 31, em Mogadíscio, capital da Somália. Um homem-bomba explodiu o carro que estava dirigindo perto do hotel Afrik, que na sequência foi invadido por outros quatro terroristas armados. Teve início então um confronto de cinco horas de duração entre os criminosos e a polícia, que trocaram tiros e granadas. O caos teve fim depois que os quatro terroristas responsáveis pela invasão cometeram suicídio, explodindo a si mesmos. Enquanto isso, outros agentes da polícia e os seguranças do próprio hotel agiram em conjunto para retirar os hóspedes em segurança. O número de vítimas não está claro. Enquanto o governo da Somália afirma que cinco pessoas morreram, o hospital local Madina alega que houve pelo menos 15 óbitos. A polícia, por sua vez, informa que 18 civis ficaram feridos e que alguns deles acabaram falecendo.

O ataque terrorista suicida aconteceu enquanto políticos de oposição se reuniam no hotel Afrik para discutir as eleições gerais que acontecerão na segunda-feira da semana que vem, dia 8. O líder Farhan Nur, que está entre os resgatados, comentou que “o inimigo planejou o ataque para eliminar” aqueles que estavam presentes no encontro. Desde 1991, quando o ditador Siad Barre foi retirado do poder, a Somália está sem um governo efetivo e caiu nas mãos de milícias islâmicas. O grupo jihadista Al Shabab, ligado à Al Qaeda, deseja governar o país segundo a sua interpretação da sharia, a lei islâmica.

*Com informações de agências internacionais