Biden pretende estampar cédulas de US$ 20 com imagem de escrava negra

A abolicionista negra Harriet Tubman arriscou a própria vida ao participar de uma rede clandestina para tirar dezenas de negros escravizados do sul do país

  • Por Jovem Pan
  • 25/01/2021 19h25 - Atualizado em 25/01/2021 19h34
Wikimedia Commons Nascida escravizada em Maryland, Harriet Tubman foi uma abolicionista e ativista americana

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pretende estampar as cédulas de US$ 20 com a imagem da escrava e abolicionista negra Harriet Tubman. A iniciativa, lançada pelo governo do ex-presidente Barack Obama, está sendo retomada pelo Departamento do Tesouro depois que o também ex-presidente Donald Trump se opôs veementemente a ela. Atualmente, a nota apresenta o sétimo presidente do país, Andrew Jackson, que possuía escravos. “É importante que nossas cédulas, nosso dinheiro reflita a história e a diversidade do nosso país. E a imagem de Harriet Tubman em nossas novas cédulas de US$ 20 certamente refletirá isso”, afirmou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, nessa segunda-feira, 25.

Atualmente, a nota de 20 dólares traz estampado o sétimo presidente dos EUA, Andrew Jackson, que era dono de escravos

A imagem de Harriet Tubman na cédula de vinte dólares teria um forte valor simbólico para muitos americanos, já que implicaria a substituição de um proprietário de escravos por uma escrava abolicionista que participou de uma rede clandestina para tirar dezenas de negros do sul do país, arriscando a própria vida. Tubman seria também a primeira mulher e a primeira negra a estampar o papel-moeda americano que, além de Andrew Jackson, apresenta outros seis homens brancos que desempenharam papéis importantes na história política mais antiga dos Estados Unidos: George Washington (US$ 1), Thomas Jefferson (US$ 2), Abraham Lincoln (US$ 5), Alexander Hamilton (US$ 10), Ulysses S. Grant (US$ 50) e Benjamin Franklin (US$ 100).

*Com informações da EFE