China é atingida por pior tempestade de areia da última década; veja vídeos

O fenômeno elevou a poluição ao nível máximo na capital Pequim, onde os moradores só conseguem enxergar 300 metros a frente e precisam usar óculos para se protegerem da espessa poeira marrom

  • Por Jovem Pan
  • 15/03/2021 12h00
EFE/EPA/WU HONGEm Pequim, a visibilidade foi reduzida para entre 300 e 800 metros, o que prejudicou o trânsito de veículos no início da manhã

Pequim e boa parte do norte da China foram atingidos na manhã desta segunda-feira, 15, pela pior tempestade de areia da última década. De acordo com o Centro Meteorológico Nacional, a areia foi trazida pelo vento do Deserto de Gobi, que fica na região da Mongólia, e se espalhou para as províncias de Gansu, Shanxi e Hebei. A situação é especialmente crítica em Pequim, onde o índice oficial de qualidade do ar atingiu o nível máximo de 500, com partículas flutuantes atingindo mais de 8.100 microgramas por metro cúbico em seis partes da cidade. Para efeito de comparação, um bom índice é entre 0 e 50, com no máximo 50 microgramas de poeira por metro cúbico. Os moradores da capital foram fotografados usando óculos, máscaras e redes de cabelo para se protegerem da espessa poeira marrom, que também chega a obstruir a visão dos arranha-céus. De acordo com o jornal local Global Times, a visibilidade foi reduzida para entre 300 e 800 metros, o que prejudicou o trânsito de veículos no início da manhã e causou o cancelamento de 400 voos.

O governo de Pequim ordenou o cancelamento de esportes e eventos externos em escolas e aconselhou que todas as pessoas com doenças respiratórias permaneçam em casa. O fenômeno é bastante comum em Pequim na primavera, entre março e abril, devido à proximidade com o Deserto de Gobi e o desmatamento da região norte da China. O Ministério do Meio Ambiente acredita que a nuvem de poeira deve se deslocar para o sul, deixando a capital chinesa, a partir de quarta-feira, 17. O fenômeno relembra que o combate à poluição é um dos maiores desafios para o país.