Com hospitais de Londres lotados, Reino Unido registra mais de mil mortes por Covid-19

O novo recorde diário no país aconteceu no mesmo dia em que o prefeito londrino afirmou que a situação na capital é crítica, com disseminação do coronavírus ‘fora de controle’

  • Por Jovem Pan
  • 08/01/2021 18h00
EFE/EPA/ANDY RAINO Serviço de Ambulâncias de Londres está recebendo cerca de 8 mil chamadas de emergência diariamente

O Ministério da Saúde do Reino Unido notificou 1.325 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, número que representa um recorde diário desde o início da pandemia do novo coronavírus. O órgão do governo também revelou que foram registrados 68.053 novos casos da doença ao longo do dia. As afirmações alarmantes sobre a disseminação do Sars-Cov-2 no país foram feitas nesta sexta-feira, 8, mesmo dia em que o prefeito de Londres, Sadiq Khan, disse que a capital está em situação de emergência. Fontes da prefeitura indicam que os casos de Covid-19 na cidade são superiores a mil a cada 100 mil habitantes.

“A situação agora em Londres é crítica, com a disseminação do vírus ficando fora de controle. O número de casos em Londres aumentou rapidamente”, afirmou Khan. O prefeito continuou dizendo que os hospitais “correm o risco de ficar sobrecarregados”. “A dura realidade é que ficaremos sem leitos para os pacientes nas próximas semanas, a menos que a disseminação do vírus possa ser drasticamente diminuída”, acrescentou. Em comunicado, o prefeito escreveu ao primeiro-ministro Boris Johnson pedindo-lhe que obrigasse a população a usar máscaras. Aos londrinos, ele pediu que não saíssem de casa a menos que fosse absolutamente necessário.

De acordo com Khan, o Serviço de Ambulâncias de Londres está recebendo cerca de 8 mil chamadas de emergência diariamente, em comparação com 5,5 mil em um dia agitado para a saúde. Com esse aumento, “nossos hospitais correm o risco de ficar sobrecarregados. A dura realidade é que ficaremos sem leitos para os pacientes nas próximas semanas, a menos que a disseminação do vírus possa ser drasticamente diminuída”, acrescentou. As autoridades relacionam esse aumento ao surgimento de uma nova cepa do coronavírus.

Por outro lado, a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde do Reino Unido  aprovou hoje a vacina da Moderna, após autorizar no final do ano passado as da Pfizer/BioNTech e Oxford/AstraZeneca. Além disso, o governo britânico anunciou hoje como uma medida adicional para conter a epidemia que será necessário um teste negativo certificado no prazo de 72 horas após a chegada à Inglaterra do exterior, com exceção de transportadores e crianças de menos de 11 anos. Outras regiões britânicas, como a Escócia, que possuem suas próprias competências em saúde, deverão aplicar a mesma medida nos próximos dias.

*Com informações da EFE