Com papel importante no sudeste asiático, Filipinas se despedem de Duterte e terão novo presidente

País comandado por figura polêmica não permite reeleição e tem nomes da cultura pop e até mesmo o filho de um ex-ditador na corrida eleitoral

  • Por Lorena Barros
  • 01/01/2022 10h00 - Atualizado em 01/01/2022 10h30
Lillian SUWANRUMPHA / AFP rodrigo duterte de perfil Duterte vai se aposentar da política e não concorrerá a cargos públicos em 2022

A polêmica figura de Rodrigo Duterte, com seu incentivo de guerra às drogas e retórica autoritária que chegou a ameaçar de prisão quem se recusasse a tomar vacina contra a Covid-19, vai se aposentar e deixar o comando das Filipinas, país com posição estratégica diante da China, abrindo espaço para uma incógnita sobre quem será o próximo presidente do país de 106 milhões de habitantes, que não permite a reeleição. Antes do anúncio de aposentadoria de Duterte, a comunidade internacional apostava que o político concorreria a um cargo no Senado ou na vice-presidência, que é escolhida à parte do chefe do Executivo. O anúncio dele, porém, mostra que o campo continua aberto para novos candidatos. Relações com os Estados Unidos e o papel das duas nações no cenário internacional devem guiar parte dos debates eleitorais no primeiro semestre.

Os anos de governo de Duterte, considerado autoritário por especialistas, foram marcados domesticamente por uma política de extermínio a traficantes e consumidores de drogas, principalmente nas ruas da capital Manila. Externamente, porém, o governo dele pareceu ter uma boa noção do estratégico posicionamento geográfico do país em relação à China e dos interesses norte-americanos na região. “Houve no governo de Duterte uma tentativa de reorientar a política externa das Filipinas. Nos primeiros anos, há uma rivalidade com o Obama. Com o Trump, ele teve até um certo alinhamento, mas isso não implicou em um afastamento das Filipinas com a China, por exemplo”, afirma o professor da Escola de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Pedro Brites.

A filha do presidente, Sara Duterte, que foi cotada para suceder o pai na busca pelo maior cargo do país, decidiu concorrer à cadeira de vice e é favorita para o cargo. Na busca pela presidência, ganham destaque nas primeiras pesquisas dois nomes da cultura pop local, o ex-boxeador Manny Pacquiao, que é senador, e o ex-ator e prefeito de Manila, Francisco Domagoso. O filho do ex-ditador Ferdinand Marcos, conhecido como “Bongbong Jr”., também é considerado um favorito. “Ele sempre foi um político muito alinhado ao que vinha acontecendo nesses últimos anos nas Filipinas, diria quase que um dos braços direitos do Duterte. Diria que isso indica uma tendência de continuidade, mas a gente tem um panorama bem diverso”, analisa Brites. Como um “ponto de oposição” ao autoritarismo de Duterte, o professor de Relações Internacionais da ESPM, Roberto Uebel, aponta a candidatura da ex-vice do país, Leni Robredo, que também se mostra como uma figura mais moderada, mas até o momento não alcançou marcas significativas nas pesquisas.

Os especialistas convergem ao falar que mais importante do que o nome que vai substituir Duterte é qual o papel que aquela pessoa vai cumprir nas relações internacionais da nação. “A questão é qual é o posicionamento que as Filipinas vão tomar no novo governo. Seguirão a aproximação com a China? Buscarão ter boas relações com os Estados Unidos? Este eu diria que é o grande interesse da comunidade internacional, porque a gente sabe que no ano que vem certamente teremos um conflito maior entre China e Estados Unidos. A gente não deve ter necessariamente uma guerra entre os dois países, mas sim uma ‘guerra indireta’ em que as Filipinas têm um papel central, tem um papel de estarem localizadas próximo à China e de ser um parceiro econômico para os dois países”, analisa o professor da ESPM. As eleições nas Filipinas serão realizadas no dia 9 de maio de 2022.