Comissão Europeia espera postura multilateralista do governo Biden

A presidente da entidade, Ursula von der Leyen, disse que os países devem agir em conjunto para superar a crise da Covid-19 e que o governo de Donald Trump não quis se envolver nessa questão

  • Por Bárbara Ligero
  • 20/11/2020 15h20 - Atualizado em 20/11/2020 15h32
EFE/EPA/KENZO TRIBOUILLARD / POOL A expectativa de Ursula von der Leyen é que os Estados Unidos, sob o governo Biden, volte a participar de acordos e organizações internacionais

Nesta sexta-feira, 20, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou que espera que os Estados Unidos adotem uma posição mais favorável ao multilateralismo quando o democrata Joe Biden assumir a presidência em janeiro. “Todos os países devem trabalhar juntos para melhorar a segurança sanitária global. Até agora, os Estados Unidos não quiseram se envolver nessa questão. Espero que isso mude com o presidente eleito”, pontuou. Von der Leyen pode estar se referindo ao fato do governo de Donald Trump ter se desligado da Organização Mundial da Saúde (OMS), entidade para a qual os Estados Unidos chegaram a doar US$ 400 milhões em 2019. A União Europeia vê como prioritário o estabelecimento de medidas globais para conter o impacto da pandemia de coronavírus, incluindo nos países mais pobres. A presidência de Joe Biden também gera expectativas em relação ao retorno dos Estados Unidos ao Acordo de Paris, principal iniciativa global para frear as mudanças climáticas que Donald Trump rejeitou no último dia 4.

Segundo o professor de Relações Internacionais da FAAP, Carlos Gustavo Poggio, os Estados Unidos sempre tiveram a preocupação de manter uma posição de liderança nesses acordos multilaterais e uma boa relação com a União Europeia. O primeiro presidente a quebrar com essa lógica desde Harry Truman foi Donald Trump que, para o especialista, vê as relações internacionais sob uma ótica unicamente contábil. Com a sua saída da Casa Branca, é esperado que Joe Biden retome a presença norte-americana nessas organizações mundiais.