Covid-19: Vacina alemã CureVac mostra eficácia de 48%, aponta estudo

Imunizante utiliza a tecnologia de mRNA, a mesma utilizada nas vacinas da Moderna e Pfizer/BioNTech

  • Por Jovem Pan
  • 01/07/2021 00h37
EFE/EPA/RONALD WITTEK/ArchivoBiofarmacêutica alemã testou imunizante em dez países

A vacina contra a Covid-19 da empresa biofarmacêutica alemã CureVac mostrou 48% de eficácia, de acordo com os resultados divulgados nesta quarta-feira, 30, de um ensaio clínico realizado em alguns países. “No contexto sem precedentes de 15 cepas circulando na população do estudo no momento da análise, a CVnCoV demonstrou uma eficácia global de 48% (83 vacinados contra 145 que receberam placebo) contra a doença Covid-19 de qualquer gravidade”, anunciou a empresa em uma nota oficial. As doses de CureVac são baseadas na tecnologia de RNA mensageiro, ou mRNA, também utilizado em suas vacinas pela Moderna e pela parceria entre Pfizer e BioNTech. Anteriormente, a empresa havia revelado em sua segunda análise preliminar que, até então, a eficácia de sua vacina chegava a 47% para prevenir o coronavírus. A CureVac detalhou que o imunizante criou “proteção significativa” entre os participantes na faixa etária entre 18 e 60 anos, atingindo um total de 53% contra casos da doença de qualquer gravidade e em todas as 15 cepas identificadas.

Essa porcentagem, ainda segundo a nota da farmacêutica, subiu para 77% em casos de doença moderada a grave e proporcionou 100% de proteção aos participantes nessa faixa etária contra internação e morte. O laboratório, que colabora com o grupo químico e farmacêutico alemão Bayer para o desenvolvimento e distribuição da vacina, disse que os dados foram comunicados à Agência Europeia de Medicamentos (EMA). O estudo envolveu cerca de 40 mil pessoas de dez países da América Latina e Europa, 9% das quais tinham mais de 60 anos de idade. Entre os 228 casos de Covid-19 contados durante os testes, 83 foram em pessoas que foram vacinadas e 145 em participantes que receberam placebo, de acordo com os dados da análise final.

*Com informações da EFE