Diante do ‘pior momento da pandemia’, confinamento total entra em vigor na Argentina

‘Devemos levar a pandemia a sério e não naturalizar tanta tragédia’, disse Alberto Fernández no anúncio das restrições; lockdown deve durar até 30 de maio

  • Por Jovem Pan
  • 22/05/2021 19h18 - Atualizado em 22/05/2021 19h20
EFE/EPA/YOAN VALATDe acordo com o último boletim publicado pelo Ministério da Saúde, a Argentina totaliza 73.931 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia

O novo período de confinamento na Argentina entrou em vigor neste sábado, 22. De acordo com o presidente Alberto Fernández, medidas severas de restrição estão sendo adotadas para conter a disseminação da Covid-19, já que o país vivencia “o pior momento da pandemia”. O lockdown durará até 30 de maio. Durante o período, permanecerá proibida a realização presencial de todas as atividades sociais, econômicas, educativas, religiosas e desportivas na Argentina. O comércio considerado essencial poderá funcionar, assim como os estabelecimentos que trabalhem com entregas em domicílio.

“Sempre falo a verdade para vocês, e podem estar de acordo ou não com o que penso, mas há verdades que estão acima das desavenças. Estamos vivendo o pior momento desde que começou a pandemia. Estamos registrando o maior número de casos e mortes. Devemos levar a sério e não naturalizar tanta tragédia”, disse Fernández quando anunciou as medidas de restrição nesta quinta-feira, 20. De acordo com o último boletim publicado pelo Ministério da Saúde, a Argentina totaliza 73.931 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia. Destas mortes, 695 ocorreram nas últimas 24 horas. Para combater a pandemia, o país aposta na vacinação, mas pouco mais de 8,6 milhões de cidadãos receberam ao menos uma dose dos imunizantes na nação, que possui cerca de 45 milhões de habitantes.