Em meio a crise e manifestações, premiê libanês propõe antecipar eleições

Segundo o Ministério da Saúde libanês, o número de mortos após a explosão na zona portuária subiu para 158; mais de 5 mil pessoas ficaram feridas

  • Por Jovem Pan
  • 08/08/2020 17h03
EFE/EPA/WAEL HAMZEHUm protesto contra o governo libanês, chamado 'Dia da Ira', acontece em Beirute neste sábado

O primeiro-ministro do Líbano, Hassan Diab, disse neste sábado, 8, que a saída para a atual crise política e econômica no país deve ocorrer por meio da antecipação das eleições. “Convido as partes a chegarem a um acordo sobre o próximo passo. Proporei na segunda-feira (a reunião do) no governo a convocação de eleições antecipadas”, disse Diab em discurso transmitido pela televisão.

O número de mortos após a explosão na zona portuária de Beirute ocorrida na última terça-feira subiu para 158, de acordo com o Ministério da Saúde libanês. Cerca de 5 mil pessoas ficaram feridas e a cidade ainda sofreu graves danos materiais. No local do incidente estavam armazenadas de forma irregular 2.750 toneladas de nitrato de amônio há seis anos, o que gerou a indignação da população, e um protesto contra o governo e outras autoridades foi convocado para este sábado em frente ao Parlamento do país. Logo início da manifestação, houve confronto entre os participantes e policiais.

Nesta sexta-feira, o presidente libanês, Michel Aoun, indicou que nenhuma hipótese está descartada para explicar a explosão e que deve ser determinado se o incidente ocorreu devido a um ato de negligência ou poderia ser devido a uma intervenção externa, um míssil “ou qualquer outro ato”.

Também nesta sexta, o secretário do Hezbollah, Hasan Nasrallah, negou veementemente que a legenda tenha qualquer tipo de ligação com a explosão. “Negamos completa e categoricamente que o Hezbollah tenha qualquer coisa a ver com o porto: sem depósito de armas, sem mísseis, sem rifles, sem bombas, sem nitratos de qualquer tipo”, declarou Nasrallah em um discurso transmitido pela rede de televisão que leva o seu nome.

*Com Agência EFE