Equador declara estado de exceção prisional após 116 mortes em rebelião

Medida será válida para todas as penitenciárias do país por 60 dias; massacre em presídio de Guayaquil também deixou 80 feridos

  • Por Jovem Pan
  • 30/09/2021 05h28 - Atualizado em 30/09/2021 05h32
Marcos Pin / EFE Rebelião em presídio no Equador Governo equatoriano promete investir para evitar rebeliões no sistema prisisonal como a que deixou 24 mortos

O Equador declarou estado de exceção em todo o sistema penitenciário do país. A medida será válida para todas as penitenciárias por 60 dias. O anúncio do governo foi feito nesta quarta-feira, 29, após o Serviço Nacional de Atenção Integral às Pessoas Privadas de Liberdade e Adolescentes informar que o número de mortos no confronto entre gangues em um presídio na cidade de Guayaquil havia passado de 100. Segundo decreto, a decisão do presidente Guillermo Lasso se baseia “nas circunstâncias que afetaram seriamente os direitos das pessoas privadas de liberdade, dos funcionários de segurança prisional e dos membros da polícia”. Ainda de acordo com o governante, haverá mobilização nacional dos órgãos de segurança para “coordenar esforços com o objetivo de executar as ações necessárias para restabelecer e manter a ordem e prevenir novos incidentes”.

Em coletiva nesta quarta-feira, Guillermo Lasso informou que 116 detentos morreram e 80 ficaram feridos na rebelião em Guayaquil, sendo que nenhum agente penitenciário está entre as vítimas. “É lamentável que as prisões estejam sendo transformadas em um território de lutas pelo poder entre gangues criminosas”, afirmou o presidente equatoriano. Lasso também informou que foi iniciado um processo de coordenação com o objetivo de “recuperar firmemente o controle da Penitenciária do Litoral e evitar a repetição desses eventos em qualquer outro centro penitenciário do Equador”.

*Com EFE