Escócia deve se tornar primeiro país a distribuir produtos menstruais grátis

O objetivo da medida é combater a chamada “pobreza menstrual” que, em alguns casos, afasta as meninas da sala de aula durante uma semana a cada mês

  • Por Jovem Pan
  • 26/11/2020 13h56 - Atualizado em 26/11/2020 15h02
SookyungAn PixabayNo Reino Unido, uma mulher gasta cerca de oito libras por mês em absorventes

A Escócia se tornou o primeiro país do mundo a fornecer acesso gratuito a produtos menstruais, como absorventes e lenços higiênicos, de forma universal. O projeto foi aprovado por unanimidade no Parlamento nesta quarta-feira, 24, e ainda deve ser sancionado pela primeira-ministra Nicola Sturgeon. A autora da lei, Monica Lennon, defende que os itens são de necessidade básica há quatro anos. Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, ela afirmou: “Hoje é um dia de orgulho para a Escócia. A medida vai fazer uma diferença enorme na vida de mulheres”. A iniciativa deve custar 8,7 milhões de libras por ano, equivalente a cerca de R$ 62 milhões.

Desde 2018, a nação já havia se tornado pioneira em fornecer distribuir produtos menstruais gratuitos em escolas, faculdades e universidades, além de entregar gratuitamente esses itens para famílias de baixa renda na cidade de Aberdeen. O objetivo era garantir que meninas não faltassem às aulas por estarem menstruadas. Segundo a emissora britânica BBC, estima-se que uma mulher no Reino Unido pode gastar até oito libras por mês em absorventes internos e externos, quantia elevada para algumas delas. O problema é chamado de “pobreza menstrual”.

*Com informações de agências internacionais