EUA batem novo recorde de infecções por Covid-19 com 1,3 milhão de casos positivos

Média de hospitalizações e mortes no país aumentou após festas de fim de ano e surgimento da variante Ômicron

  • Por Jovem Pan
  • 11/01/2022 10h32
Idrees Mohammed/EPA/EFE - 03/12/2021 Agente de saúde da Índia coleta saliva de idoso para fazer teste de Covid-19, ao ar livre, em frente a um muro com o grafite de um vírus com cara maléfica País norte-americano registrou aumento de casos nas últimas semanas

Um levantamento divulgado pela agência de notícias Reuters nesta terça-feira, 11, mostra que os Estados Unidos bateram mais uma vez o recorde do número de novas infecções por Covid-19 em um dia, com 1,3 milhão de casos positivos na segunda-feira, 10. O recorde anterior, registrado já em 2022, foi no dia 3 de janeiro, quando 1,03 milhão de novos casos foram confirmados em 24 horas. Com a crescente, reflexo da variante Ômicron e das festas de fim de ano no país, a média de novos casos semanais triplicou nas últimas duas semanas, com cerca de 700 mil registros por dia. Ainda de acordo com os números da Reuters, o número de pessoas hospitalizadas no país dobrou em três semanas e mais de 136 mil pacientes estão internados, também um novo recorde na região, que em janeiro de 2021 tinha registrado o maior número da história, com 132 mil casos de hospitalização.

Alguns dos hospitais já suspenderam procedimentos eletivos para abrir espaço para novos pacientes e algumas escolas precisaram fechar por causa de professores, motoristas de ônibus e até mesmo outros funcionários doentes. Em Nova York, três linhas de metrô chegaram a ter as operações suspensas porque quase todos os funcionários contraíram Covid-19. O teletrabalho voltou a ser instaurado em outras partes da nação. Apesar de ocorrer em menor escala do que as infecções, o número de mortes por causa do vírus nos EUA também aumentaram: no fim de 2021, a média diária de óbitos era de 1,4 mil; este número subiu para 1,7 mil. As autoridades tentam incentivar o aumento da vacinação na população. De acordo com a plataforma Our World In Data, da Universidade de Oxford, 62,6% da população está totalmente imunizada no país.