EUA devem se juntar à Covax, que visa distribuir vacinas a países pobres

O governo de Joe Biden retomará a colaboração entre o país e a OMS, inclusive participando da iniciativa que envolve os imunizantes contra a Covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 21/01/2021 12h44
EFE/Jim Lo ScalzoJoe Biden reverteu a saída dos EUA da OMS em seu primeiro dia como presidente

Os Estados Unidos participarão da Covax, iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) que visa a distribuição de vacinas contra a Covid-19 aos países mais pobres. A informação foi confirmada pelo principal conselheiro médico do presidente Joe Biden, o especialista em doenças infecciosas Anthony Fauci. O médico conversou com a entidade por videoconferência nesta quinta-feira, 21. “Os EUA veem a colaboração técnica em todos os níveis como uma parte fundamental de nosso relacionamento com a OMS, algo que valorizamos profundamente e buscamos fortalecer no futuro”, afirmou Fauci. Dessa forma, o especialista deixou clara a intenção do governo Biden de adotar uma postura diferente de Donald Trump em relação ao combate à Covid-19.

O ex-presidente, que iniciou a retirada formal do país da OMS, acusou a entidade diversas vezes de ser negligente com a China e ter demorado a fornecer informações precisas sobre o novo coronavírus.. Na época, os Estados Unidos eram o maior contribuinte da OMS, fornecendo US$ 400 milhões em doações voluntárias. Muitos países dependem da Covax para ter acesso às vacinas contra a Covid-19. Segundo a OMS, a intenção da iniciativa é garantir quase duas bilhões de doses com entregas previstas para o primeiro trimestre desse ano. A meta é imunizar até um quinto da população mundial até o final de 2021.