Fortunas dos homens mais ricos do mundo dobraram durante a pandemia, diz estudo

Levantamento da Oxfam somou renda de indivíduos como Elon Musk e Jeff Bezos e apontou que ‘violência econômica’ é realidade no planeta

  • Por Jovem Pan
  • 17/01/2022 12h27
Frederic J. BROWN / AFP elon musk Segundo levantamento da Oxfam, pessoas mais ricas do mundo dobraram seu acumulado na pandemia

Um estudo divulgado pela Oxfam nesta segunda-feira, 17, apontou que os 10 homens mais ricos do mundo dobraram as suas fortunas durante a pandemia da Covid-19, período no qual a desigualdade escalou no planeta. De acordo com o levantamento, que usa dados do Global Wealth Report do banco Credit Suisse, somadas, as fortunas das 10 pessoas mais ricas saiu de US$ 700 bilhões (equivalente a R$ 3,8 trilhões) para US$ 1,5 trilhão (mais de R$ 40 trilhões). De acordo com o levantamento da Oxfam, o mundo tem sido “dividido” pela desigualdade econômica, racial e de gênero no mundo, assim como a disparidade financeira entre os países. Para eles, a “violência econômica” é manifestada quando aumentos de renda do tipo são registrados no mesmo período em que 160 milhões de pessoas foram empurradas para baixo da linha da pobreza no mundo.

As dez pessoas mais ricas do mundo incluem, segundo a revista Forbes, Elon Musk, o chefe da Tesla, Jeff Bezos (Amazon), Bernard Arnaud (LVMH), Bill Gates (Microsoft), Mark Zuckerberg (Meta/Facebook), Waren Buffett (Berkshire Hathaway) e Larry Ellison (Orecle). A ONG acrescenta que “podemos superar a pobreza extrema por meio de uma tributação progressiva” e sistemas públicos de saúde gratuitos para todos e recomenda que a criação de sindicatos não seja impedida e que a propriedade intelectual seja removida das patentes de vacinas. De acordo com a Oxfam, a desigualdade contribui para a morte de “pelo menos 21 mil pessoas por dia” por falta de acesso a cuidados de saúde, violência de gênero, fome e crise climática.

*Com informações da AFP