Governo da Argentina pede que jovens não deixem o país apesar da crise

Chefe do Gabinete de Ministros, Santiago Cafiero, fez apelo ao anunciar programa de inclusão no mercado de trabalho para pessoas entre 18 e 24 anos

  • Por Jovem Pan
  • 28/07/2021 16h59 - Atualizado em 28/07/2021 17h51
EFE/ Demian Alday EstevezPaís latino registrou manifestações contra situação econômica e outros problemas na última semana

A Argentina iniciou nesta quarta-feira, 28, um programa de inserção dos jovens em pequenas e médias empresas do país como tentativa de convencer as pessoas mais novas a não deixarem a região mesmo com a crise que atravessa o país desde 2018 e foi acentuada pelo novo coronavírus. Durante cerimônia de lançamento do projeto “Te Sumo”, o chefe do Gabinete de Ministros, Santiago Cafiero, pediu que as pessoas não “baixem os braços” diante da alta inflação e pobreza e fez promessas para o futuro. “Não se vão, a Argentina está começando a virar a página, não só da pandemia, mas também da desilusão e do desespero do último governo (de Mauricio Macri). Não saiam e não desistam”, disse. Segundo ele, as taxas de emprego estão aumentando após restrições severas para conter a pandemia.

“Isso aconteceu no mundo todo e aqui também. Já estamos avançando, os níveis de emprego e de produção já estão excedendo os de 2019″, acrescentou o ministro. O programa “Te sumo” (“Te incluo”, em tradução livre) tem como intuito promover o emprego de jovens com idades de 18 a 24 anos em pequenas e médias empresas, que se beneficiarão de uma redução tributária e receberão apoio financeiro do Estado para o pagamento de salários durante o primeiro ano após contratação dos novos funcionários. A taxa de investimento, que cresceu 14% no primeiro trimestre do ano, também foi um dos dados apontados como sinal de melhoria no país de Fernández.